CPADNews

Turistas individuais podem entrar em Israel a partir de 1º de julho

Os turistas deverão apresentar o certificado de vacinação antes de embarcar no avião, bem como o resultado do teste de PCR

Turistas individuais podem entrar em Israel a partir de 1º de julho

Os turistas individuais vacinados serão permitidos em Israel a partir de 1º de julho, anunciou o ministro do Turismo, Orit Farkash-Hacohen, na noite de quinta-feira (10), depois que o ministro do Interior, Aryeh Deri, divulgou uma comunicação sobre o assunto.

“Fico feliz que o trabalho árduo da equipe do Ministério do Turismo, junto com o Ministério da Saúde, Relações Exteriores e Ministério do Interior, tenha levado o ministro do Interior a declarar que as exigências para turistas vacinados serão flexibilizadas e haverá uma ampliação da entrada de turistas individuais a partir de 1º de julho ", tuitou Farkash-Hacohen."

Ele completou dizendo que “chegou a hora de Israel se abrir ao turismo e tirar proveito de seu status de país vacinado para o benefício de sua economia. "

De acordo com a carta do Ministério do Interior, “em consulta com o Ministro da Saúde, o Ministro das Relações Exteriores e profissionais de diferentes ministérios, foi decidido permitir que pessoas vacinadas provenientes de países determinados pelo Ministério da Saúde entrem em Israel de acordo com um processo abreviado que será formulado nos próximos dias."

Um porta-voz do ministro do turismo disse ao The Jerusalem Post que a decisão não exigirá mais nenhuma aprovação do governo e não haverá qualquer limite para o número de visitantes permitidos.

Apenas os viajantes vacinados - e não os que já se recuperaram - terão permissão para entrar. Eles deverão apresentar o certificado de vacinação antes de embarcar no avião, bem como o resultado do teste de PCR.

As dúvidas sobre quais vacinas serão aceitas e se os turistas precisarão fazer um teste sorológico para comprovar a presença de anticorpos no sangue para evitar a quarentena - como agora é exigido para quem foi vacinado no exterior - ainda estão em discussão, acrescentou o porta-voz.

No entanto, um funcionário do Ministério da Saúde disse ao The Jerusalem Post que a declaração foi um tanto prematura e ligada à mudança iminente de governo.

Ele disse que, embora seja verdade que esta é a direção que as autoridades relevantes estão trabalhando, o anúncio de Farkash-Hacohen foi apressado.

 

Fonte: Guiame / Com informações JP Post / Foto: Reprodução / Birthright Israel (11.06.21)