CPADNews

Evangelista sofre agressão enquanto pregava na rua, em Uganda

A pregadora foi confrontada por alguns fiéis católicos que se sentiram ofendidos por seu ministério no local

Evangelista sofre agressão enquanto pregava na rua, em Uganda

Um incidente tenso eclodiu quinta-feira (03) em Namugongo, um município no distrito comercial central de Kampala, depois que uma evangelista de rua começou a pregar o Evangelho perto do Santuário Católico dos Mártires de Uganda.

A pregadora foi confrontada por alguns fiéis católicos que se sentiram ofendidos por seu ministério no local.

“Vá embora daqui”, disse a dupla à pregadora, antes que uma delas, com raiva, a chamasse de “prostituta” e a outra de “satanás”.

Em um vídeo postado pela popular emissora NTV Uganda, e assistido mais de 50.000 vezes, até o momento, a pregadora parecia não se incomodar com o que uma seção cruzada de crentes desde então descreveu como um "ataque"

Ela continuou pregando, descrevendo Deus como um “governante supremo de todos”, acrescentando que sua autoridade para evangelizar não vem do governo ou do homem natural.

“A terra e sua plenitude pertencem a Deus. Uganda pertence a Deus e não ao homem. Ele está nas alturas e nos deu poder, autoridade e proteção. Obrigado Jesus”, firmou a pregadora calmamente.

“Eu te persigo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Você não tem autoridade sobre nós. Vá embora, satanás, somos filhos de Deus”, disse um dos fiéis católicos, antes de se aproximar e apontar sua cruz de madeira para a pregadora. “Esta é uma sinagoga dos católicos, em Namugongo.”

"Jesus Salva. Ele nos deu poder e autoridade. O sangue de Jesus é mais poderoso do que qualquer outro sangue”, continuou a pregadora proclamando a Palavra, sem se importar com o ataque físico e verbal dos fiéis católicos.

O incidente também atraiu comentários nas redes sociais de todo o país, com alguns dizendo que foi outro exemplo de violação da liberdade de expressão e outros insistindo que ela deveria ter pregado de outro lugar.

Opiniões nas redes sociais:

“Ela fez o que deveria fazer. As pessoas estão perdidas ao ponto de lutar contra o Evangelho. Jesus veio para libertar as pessoas, mocinha você é abençoada. Vamos por todo o mundo e pregar o Evangelho, pois Jesus virá em breve. O que aconteceu com você aconteceu com nosso Senhor Jesus. Jesus poderia entrar em suas sinagogas para pregar a verdade, mas eles decidiram crucificá-lo. Que Deus continue usando a sua jovem”, comentou Martha Afaayo Namono.

“É um mundo livre, mas o jovem pregador deve saber que nós católicos vivemos pelas Escrituras e tradição, por tradição quero dizer que praticamos o que nossos antepassados na igreja nos ensinaram ou a vida que eles viveram, mas os balokole são contra a tradição. A jovem é livre para pregar de qualquer lugar próximo às instalações do santuário católico, mas acredite em mim sempre que ela for controversa sobre a tradição (como honrar os santos contra os quais o ‘balokole’ prega). Eu também não apoio o ato de afugentá-la, mas deve ser o último, deixe as pessoas praticarem sua religião em paz”, escreveu Sentume Gonzaga.

“Se Deus é amor, então é fácil dizer qual dos dois tem o Espírito de Deus. Como você encontra um adulto pregando na rua e você a confronta a ponto de empurrar a cabeça dela! A calma da pobre garota sob tal provocação deve nos dizer que ela conhece seu Deus e, portanto, deve ser ouvida”, disse Nathan Kaija.

“Esta mulher agressiva deveria ser acusada pela agressão. Eu realmente me pergunto como algumas pessoas raciocinam, a senhora pregando está em seu espaço à beira da estrada. Eu realmente elogio sua humildade, apesar da agregação de uma mulher mais velha. Devemos conhecê-los por seus frutos”, disse Deo Mugwedi.

 

Fonte: Guiame / Com informações UG Christian News / Foto: Reprodução / UGCN (07.06.21)