CPADNews

Estado islâmico busca renascimento em países cristãos, como Congo e Moçambique

Depois de ser derrotado no Iraque e na Síria, o Estado Islâmico está buscando ressurgir em países de maioria cristã na África

Estado islâmico busca renascimento em países cristãos, como Congo e Moçambique

O Estado Islâmico estava desmoronando no Iraque e na Síria, até que, das selvas do leste do Congo, um jihadista apareceu no YouTube para declarar que califado estava se reagrupando na África Central.

“Convido todos os muçulmanos do mundo a se juntarem a nós no Congo”, disse o homem, que se identificou como árabe e carregava uma metralhadora. “Juro por Deus que esta é a morada do Estado Islâmico.”

Na época, analistas acreditavam que era apenas uma forma do grupo terrorista em ruínas ganhar manchetes. Mas três anos depois, a província centro-africana do Estado Islâmico se expandiu tão rapidamente que o Departamento de Estado dos EUA impôs sanções ao grupo e sua liderança no mês passado pela primeira vez.

Conhecido como ISCAP, o Estado Islâmico na África Central tem militantes baseados no Congo e em Moçambique e se tornou uma das franquias mais mortais do grupo terrorista, de acordo com o rastreador de inteligência SITE, que monitora grupos extremistas em todo o mundo. 

Liderada por um veterano jihadista de Uganda, Musa Baluku, a milícia congolesa, anteriormente conhecida como Forças Democráticas Aliadas, ou ADF, matou mais de 849 civis só em 2020, disse o Departamento de Estado americano.

A ascensão do ISCAP mostra como o Estado Islâmico está se expandindo através de grupos militantes, como se fossem franquias locais. Depois de ser impedido de estabelecer um estado autodeclarado na Síria, o Estado Islâmico se injetou em conflitos localizados na Nigéria, Líbia e em toda a faixa do Sahel no oeste da África. 

Se antes as incursões eram lançadas em territórios predominantemente muçulmanos, agora está começando a ter como alvo países dominados por cristãos. Não mais prometendo tomar e manter o território, o Estado Islâmico em vez disso adotou táticas de guerrilha, cooptando a liderança local e melhorando o treinamento, táticas e propaganda.

Esses grupos locais agora são aliados do Estado Islâmico, que os usa para fins de propaganda. O EI fornece financiamento e treinamento, mas não dirige suas operações diárias, ao contrário do que fez no califado na Síria e no Iraque, dizem funcionários de segurança ocidentais.

Sanções americanas contra o EI

O Congo, um país com 95% da população cristã e sem tradição de ideologia jihadista, é o exemplo mais extremo. O novo aliado local do Estado Islâmico, o ADF, surgiu de uma rebelião dos anos 1990 por muçulmanos em Uganda, que se sentiam perseguidos pelo regime do presidente Yoweri Museveni. 

Sob pressão de Kampala, o grupo se refugiou no leste do Congo, onde agora o ISCAP aumentou de cerca de 200 para 1.500 combatentes, de acordo com a inteligência de Uganda, e se conectou com uma insurgência em Moçambique, que atacou a cidade portuária de Palma em março.

Por causa do cerco de vários dias, no qual combatentes do Estado Islâmico massacraram dezenas de pessoas e provocaram a fuga de milhares através de florestas e manguezais, a petrolífera francesa Total SE foi forçada a evacuar todos os seus funcionários do projeto de US$ 16 bilhões, juntamente com 2.000 refugiados.

Os ataques, ocorridos durante uma missão de treinamento das Forças Especiais dos EUA no país, fizeram soar alarmes no governo de Joe Biden, que está reformulando a política em relação à África e ao Estado Islâmico. 

As sanções de março exigem que os bancos congelem os ativos da filial congolesa do EI e seu líder, Baluku, junto com a afiliada de Moçambique e seu comandante, Abu Yasir Hassan, e proíbe qualquer negociação com eles.

Casas queimadas em uma vila perto de Beni, no Congo, após um ataque em 2020 atribuído ao grupo rebelde Forças Democráticas Aliadas (ADF). (Foto: Alexis Huguet/AFP/Getty Images)

As filiais da África Central no Congo e Moçambique estão se tornando cada vez mais integradas — os congoleses agora estão declarando a responsabilidade de ataques em nome de seus aliados moçambicanos, de acordo com um relatório do Programa de Extremismo da Universidade George Washington.

As táticas militares enfatizaram a violência extrema. Em Moçambique, em novembro de 2020, os militantes locais transformaram um campo de futebol de uma vila em um “campo de execução”, decapitando 50 pessoas, segundo a mídia estatal moçambicana.

Depois de testemunhar as execuções, Abdulrahman Ssali, um dos poucos desertores do grupo terrorista, disse que ficou determinado a fugir. Ele se escondeu em um matagal antes de caminhar por sete dias, comendo raízes e bebendo água parada, e então se rendendo ao exército congolês. Um ano depois, entregou-o à inteligência militar de Uganda.

Ele é assombrado pelo tempo que passou no grupo e por deixar sua irmã para trás no acampamento. “Meu pai me enganou, nunca foi minha intenção juntar-me a esses radicais islâmicos”, disse ele, com os olhos em lágrimas. “Agora posso nunca mais ver minha irmã novamente.”

 

Fonte: Guiame / Com informações Wall Street Journal / Foto: João Relvas/EPA/Shutterstock (20.04.21)