CPADNews

Sobe para 5 o número de mortos em ataque bomba no Paquistão

Explosão ocorreu em hotel onde o embaixador chinês estava hospedado; Pequim acredita se tratar de um ataque terrorista

Sobe para 5 o número de mortos em ataque bomba no Paquistão

Subiu para cinco o número de mortos em um ataque a bomba no sudoeste do Paquistão em um hotel de luxo onde o embaixador chinês estava hospedado, reivindicado pelo Talibã paquistanês nesta quinta-feira (22) e condenado por Pequim como um "ataque terrorista".

A bomba explodiu na noite de quarta-feira (21) no estacionamento do hotel Serena, na cidade de Quetta, capital da província de Baluchistão, onde o exército luta contra insurgentes há uma década, a menos de 100 quilômetros da fronteira com o Afeganistão.

"Foi um ataque suicida, no qual 60 a 80 kg de explosivos foram usados. O kamikaze explodiu o carro por dentro", disse o ministro do Interior do Paquistão, Sheikh Rashid Ahmed, em entrevista coletiva na quinta-feira.

"Cinco pessoas morreram e 11 ficaram feridas, delas apenas duas gravemente", acrescentou. Um balanço anterior estabeleceu o número de mortos em quatro.

A polícia disse que funcionários do hotel e oficiais de segurança estavam entre os mortos.

"O kamikaze atingiu as autoridades de segurança exatamente como planejado", disse um porta-voz do Tehreek-e-Taliban Pakistan (TTP), o Talibã do Paquistão, em um comunicado.

Condenação da China

A China "condenou veementemente" o ataque no Paquistão ao hotel onde o embaixador chinês estava hospedado.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, chamou isso de "ataque terrorista" e especificou que o embaixador não estava no hotel no momento do ataque.

Gu Wenliang, conselheiro agrícola da embaixada chinesa no Paquistão, disse ao jornal Global Times que a bomba explodiu dez minutos antes do horário programado para o retorno do embaixador.

O Baluchistão é uma província pobre, apesar de seus importantes recursos naturais, e é palco de violência étnica, sectária e separatista. É rica em hidrocarbonetos e minerais, mas sua população reclama de ser marginalizada e saqueada desses recursos naturais.

Nos últimos anos, a insurreição foi especialmente virulenta, com a presença de grupos jihadistas e uma rebelião separatista.

No início da década de 2010, o TTP realizou vários ataques sangrentos nas grandes cidades do Paquistão, a partir de seu reduto nas áreas tribais do noroeste do país, que também abriga outros grupos jihadistas, incluindo a Al Qaeda.

Mas uma grande operação militar lançada em 2014 destruiu a estrutura de comando do TTP, levando a uma clara melhora da situação em todo o país.

 

Fonte: R7 / Com informações AFP / Foto: Stringer / Reuters -  21.4.2021 (22.04.21)