CPADNews

Menina cristã escapa do Boko Haram 7 anos após seu sequestro na Nigéria

Os números da Portas Abertas sugerem que 990 cristãos foram sequestrados por grupos islâmicos militantes na Nigéria somente em 2020

Menina cristã escapa do Boko Haram 7 anos após seu sequestro na Nigéria

Pelo menos uma das meninas raptadas pelo grupo terrorista islâmico nigeriano Boko Haram escapou de seus captores, sete anos após seu sequestro.

Após relatos conflitantes de sua fuga, a organização de caridade da igreja perseguida Portas Abertas disse ter confirmado que Hauwa Halima Maigana, uma das 276 alunas sequestradas por Boko Haram em 2014, conseguiu escapar do cativeiro e agora está segura.

“Uma das meninas Chibok que escapou conseguiu falar com seu pai por telefone e foi claramente identificada”, disse a analista sênior da instituição de caridade sobre liberdade de religião e crença na África Subsaariana, Illia Djadi.

O pai da menina disse à CNN: “Ela me perguntou: 'Este é o meu pai? Este é meu papai? 'E ela começou a chorar. O choro era [muito] e eu não conseguia ouvi-la muito bem. Eu também estava chorando. Eu nunca esperei ouvir a voz dela novamente. A família inteira está muito feliz. Nossa casa está cheia de pessoas que estão se alegrando conosco.”

Embora ele tenha sugerido à CNN que sua filha havia sido libertada pelo exército nigeriano e estava sendo cuidada por eles, isso foi negado pelos militares.

O Chefe do Estado-Maior da Defesa nigeriano, Major General Lucky Irabor, disse que suas tropas libertaram algumas pessoas do cativeiro de Boko Haram durante as recentes operações na Floresta Sambisa, uma região montanhosa no nordeste do Estado de Borno, onde se acredita ser o local onde os islâmicos mantêm seus cativos.

Ele disse, no entanto, que nenhuma das meninas Chibok estava entre as resgatadas pelo exército.

Acredita-se que Hauwa Halima seja a meia-irmã de outra menina Chibok libertada do Boko Haram em 2016, Maryam Ali Maigana, junto com seu filho, que ela teve com um comandante dos militantes.

Sequestros

Um terapeuta que a tratou, Somiari Fubara, disse à CNN que as duas meninas eram muito próximas e que Maryam costumava chorar ao falar de sua meia-irmã, que ainda estava em cativeiro.

A provação para as meninas nigerianas começou em 2014, quando o grupo islâmico Boko Haram invadiu um colégio interno na vila de Chibok e sequestrou 276 meninas. O incidente gerou indignação internacional, incluindo um movimento global exigindo seu retorno sob a hashtag #BringBackOurGirls.

Ao longo dos anos, alguns dos 276 foram libertados: às vezes em troca de prisioneiros do Boko Haram (Notícias, 12 de maio de 2017), e às vezes porque as meninas conseguiram escapar. No entanto, acredita-se que mais de 100 meninas ainda estejam em cativeiro e muitas foram forçadas a se converter ao Islã e se casar com militantes do Boko Haram.

Henrietta Blyth, diretora executiva da Portas Abertas do Reino Unido, que tem trabalhadores no norte da Nigéria, disse que “a notícia de meninas fugindo de Boko Haram - incluindo a estudante de Chibok - é um raio de esperança de que outras pessoas ainda em cativeiro possam recuperar sua liberdade também.”

“O sequestro das meninas Chibok, sete anos atrás, foi uma ilustração dolorosa do fato de que as mulheres são especialmente vulneráveis à perseguição na Nigéria por causa de sua fé e gênero”, afirmou.

“Mesmo após a fuga, sua jornada dolorosa normalmente ainda não acabou - eles precisam se reintegrar em sua comunidade e lidar com o trauma de seu cativeiro”, explicou Henrietta.

Os números da Portas Abertas sugerem que 990 cristãos foram sequestrados por grupos islâmicos militantes na Nigéria somente em 2020. A instituição de caridade disse que está pedindo às autoridades nigerianas que intensifiquem seus esforços para proteger os cristãos e outras pessoas vulneráveis a ataques.

 

Fonte: Guiame / Com informações Church Times / Foto: Reprodução / Portas Abertas UK (19.02.21)