CPADNews

Site conservador Parler é banido por gigantes da tecnologia

A plataforma Parler tem 24 horas para encontrar um parceiro para hospedagem de seu site antes de ser completamente excluída

Site conservador Parler é banido por gigantes da tecnologia

Plataforma de mídia social popular entre alguns conservadores, o Parler foi banido pelos gigantes da tecnologia Amazon, Apple e Google, deixando o site sem uma casa com internet a partir da meia-noite de domingo (10), mesmo com o número de usuários tendo aumentado recentemente.

As três megacorporações acusaram a plataforma de continuar a postar mensagens incitando a violência, mesmo após o ataque no Capitólio dos Estados Unidos na última quarta-feira por defensores do presidente Donald Trump.

Se o Parler não conseguir encontrar um novo parceiro de hospedagem até às 8h00 GMT de segunda-feira (11), quando a Amazon interromper seus serviços, o site não poderá funcionar.

Um dia depois que o Twitter suspendeu permanentemente a conta principal do presidente americano, o Parler continuou sendo o aplicativo mais baixado da loja de aplicativos da Apple nos Estados Unidos.

A rede social, lançada em 2018, funciona de maneira muito semelhante ao Twitter, com perfis que as pessoas podem seguir e "conversar" em vez de tweets. A liberdade de expressão é sua razão de ser declarada.

Com sede em Henderson, Nevada, o Parler foi fundado por John Matze, um jovem engenheiro de computação, e Rebekah Mercer, uma proeminente doadora republicana.
Em seus primeiros dias, a plataforma atraiu uma multidão de usuários ultraconservadores ou até mesmo de extrema direita.

Agora atrai muito mais vozes republicanas tradicionais.

Milhões de seguidores

O apresentador da Fox News, Sean Hannity, tem 7,6 milhões de seguidores no Parler; seu colega Tucker Carlson tem 4,4 milhões.

Também há funcionários eleitos, incluindo os republicanos Devin Nunes, um congressista da Califórnia, e o governador de Dakota do Sul, Kristi Noem.

Seu recente crescimento foi acelerado nos últimos dias, à medida que novos usuários, furiosos com a proibição do Twitter de Trump, migraram para o aplicativo.

As contas de Trump também foram suspensas por outros grandes veículos de mídia social, incluindo Facebook, Instagram, Snapchat e Twitch, após a violência no Capitólio.

Isso enviou ainda mais defensores fervorosos do presidente a plataformas conservadoras, incluindo Parler e Gab.

Seu sucesso chamou a atenção do Google, que decidiu na sexta-feira tirar Parler de sua loja de aplicativos por causa de postagens que a gigante da internet disse que incitavam a violência, bem como o que considerou uma abordagem excessivamente casual para moderar o conteúdo.

Um dia depois, a Apple seguiu seu exemplo.

Essas mudanças complicaram as coisas para Parler, mas não o bloquearam completamente: os usuários que já tinham o aplicativo podiam continuar acessando-o, enquanto os novos usuários podiam usar soluções alternativas para instalá-lo ou acessá-lo na internet.

'Abandonado' 

A decisão da Amazon, por outro lado, ameaça diretamente a presença online de Parler - e seu CEO Matze não está otimista.

"Todos os fornecedores, de serviços de mensagem de texto a provedores de e-mail e nossos advogados, também nos dispensaram no mesmo dia", disse ele à Fox. "Eles estão tentando alegar falsamente que fomos de alguma forma responsáveis ??pelos eventos no dia 6 de janeiro, quando o Capitólio foi invadido”.

"É devastador."

Matze disse que seria difícil voltar a ficar online rapidamente porque provedores de serviços em potencial estavam dizendo que não queriam colaborar desafiando o Google ou a Apple.

Parler teve 24 horas para encontrar um host alternativo, mas Matze disse: "Onde você vai encontrar 300 a 500 servidores em uma janela de 24 horas? ... É uma façanha impossível."

Com os gigantes da tecnologia deixando clara sua oposição, sites conservadores como Parler provavelmente terão que encontrar maneiras de se ajustar.

O serviço de streaming de vídeo DLive, usado por vários manifestantes durante a invasão do Capitólio, fechou sete de seus canais e retirou mais de 100 vídeos do site.
Outros serviços podem ter que seguir o exemplo de outro site popular na extrema direita, Gab.

Essa plataforma atraiu críticas ferozes em 2018, quando os investigadores descobriram que o atirador que matou 11 pessoas em um ataque a uma sinagoga de Pittsburgh havia postado mensagens antissemitas no site.

Gab, já rompido com Apple e Google, instalou servidores próprios para não ficar dependente de fornecedores externos.


Fonte: Guiame/  Com informações do Yahoo - Foto: Reprodução / Yahoo - 11/01/2021