CPADNews

Boko Haram mata 110 pessoas em ataque em massa, na Nigéria

Segundo a mídia, o grupo terrorista islâmico matou 30.000 pessoas desde 2009

Boko Haram mata 110 pessoas em ataque em massa, na Nigéria

Um ataque de insurgentes islâmicos Boko Haram a produtores de arroz no nordeste da Nigéria deixou pelo menos 110 mortos, segundo um funcionário da ONU.

“Estou indignado e horrorizado com o horrível ataque contra civis”, disse Edward Kallon, residente da ONU e coordenador humanitário na Nigéria, em um comunicado por e-mail. “Pelo menos 110 civis foram mortos sem piedade e muitos outros ficaram feridos neste ataque.”

Muitos morreram depois que homens armados em motocicletas atacaram violentamente os trabalhadores agrícolas no nordeste da Nigéria.

Autoridades dizem que o ataque ocorreu no sábado (28), no estado de Borno. Vários pontos de venda relataram que supostos militantes islâmicos atacaram os fazendeiros enquanto eles faziam a colheita em uma parte rural do estado.

O governador do estado de Borno, Babagana Zulum, onde ocorreu o ataque, disse que 43 vítimas foram enterradas no domingo na aldeia Koshobe, no distrito de Jere. Os insurgentes emboscaram os agricultores que estavam trazendo sua colheita de arroz no sábado.

“Eu condeno a morte de nossos agricultores trabalhadores por terroristas”, disse o presidente Muhammadu Buhari em um comunicado divulgado por seu porta-voz oficial. “O país inteiro está ferido por essas mortes sem sentido.”

“Eu condeno a morte de nossos agricultores trabalhadores por terroristas no estado de Borno. O país inteiro está ferido por essas mortes sem sentido. Meus pensamentos estão com suas famílias neste momento de luto. Que suas almas descansem em paz."

Os militantes do Boko Haram empreenderam uma campanha de violência desde 2009 para impor sua versão da lei islâmica ao país mais populoso da África com mais de 200 milhões de habitantes. O governo estima que mais de 30.000 pessoas morreram no conflito.

No enterro das 43 vítimas no domingo, os moradores da comunidade afetada disseram ao governador Zulum que esperavam que o número de mortos aumentasse, pois muitas pessoas ainda estavam desaparecidas.

“Nosso povo está em uma situação muito difícil”, disse Zulum aos repórteres. “Se ficarem em casa, podem morrer de fome. Eles vão para suas fazendas e correm o risco de serem mortos pelos insurgentes”.

 

Fonte: Guiame/ Com informações da Bloomberg e NPR - Foto: Audu Marte / AFP / Getty