CPADNews

Centenas de muçulmanos atacam igreja e incendeiam casas de cristãos no Egito

Os ataques aconteceram após uma publicação considerada `ofensiva´ ao islamismo ter sido compartilhada nas redes pelo perfil de um cristão

Centenas de muçulmanos atacam igreja e incendeiam casas de cristãos no Egito

Uma multidão com centenas de extremistas muçulmanos atacou casas e lojas de cristãos coptas na governadoria de Minya, no Egito, sob rumores de que um cristão havia postado um comentário, ofendendo o islamismo no Facebook, segundo relatos. Alguns dos ataques envolveram incêndios criminosos.

Pelo menos uma mulher idosa foi hospitalizada após sofrer queimaduras no incêndio em sua casa, depois que grupos de extremistas islâmicos usaram pedras e coquetéis molotov para atingir residências de comunidade copta ortodoxa em al Barsha na quinta-feira, de acordo com o site Independent Catholic News (ICN).

O homem acusado de postar o comentário contra o Islã em sua conta pessoal no Facebook disse que sua página foi hackeada.

A multidão também tentou atacar a igreja de Abou Sefin, onde a congregação estava comemorando o início do jejum copta, conforme relatou a organização ‘C’hristian Solidarity Worldwide’ (CSW), uma ONG com sede no Reino Unido, reconhecida pela ONU, que trabalha em vários países para ajudar as comunidades perseguidas.

Um microônibus pertencente à igreja também foi queimado.

“Apesar da alegação, as declarações continuam a se espalhar pelas redes sociais, fomentando oposição e confronto entre muçulmanos e cristãos coptas, instigando novos ataques sectários”, acrescentou o ICN.

O número de pessoas presas sob acusações de desacato à religião e blasfêmia aumentou significativamente este ano.

“Este incidente deve ser investigado minuciosamente, com os responsáveis levados à justiça”, disse o CEO da CSW, Scot Bower. “A hostilidade da sociedade que sustenta a discórdia sectária, que facilita os surtos frequentes de violência na área, também deve ser abordada. Incentivamos as autoridades egípcias a se envolverem positivamente com as organizações de direitos humanos para promover a diversidade religiosa e a igualdade de cidadania por meio do engajamento cívico e da educação”.

Contexto

De acordo com o grupo de vigilância sobre perseguição religiosa, Portas Abertas (EUA), o Egito é o 16º pior país perseguidor de cristãos no mundo.

“Muitos cristãos egípcios encontram obstáculos substanciais para viver de acordo com sua fé”, observa o documento. “Há ataques violentos que chegam às manchetes em todo o mundo, mas também existem formas mais silenciosas e sutis de coação que oprimem os crentes egípcios. Particularmente nas áreas rurais do norte do Egito, os cristãos foram expulsos das aldeias e sujeitos à violência da turba e intensa pressão familiar e comunitária. Isso é ainda mais pronunciado para os cristãos convertidos do Islã”.

De acordo com o grupo de defesa dos Estados Unidos Coptic Solidarity, as restrições à liberdade de expressão, de reunião e de imprensa foram bem documentadas desde que o presidente Abdel Fattah al-Sisi subiu ao poder em 2014.

“Esmagar a dissidência política, prender jornalistas e censurar a imprensa raramente são questões discutidas em relação às licenças de construção de igrejas, práticas discriminatórias e violência contra os coptas no Egito”, escreveu Amy Fallas do Instituto Tahrir para Política do Oriente Médio no início deste ano.

 

Fonte: Guiame / Com informações Christian Solidarity Worldwide / Foto: AP/Sabry Khaled