CPADNews

Pastor está há 9 meses longe de seu país após ficar retido em lockdown na Argentina

Com fronteiras fechadas devido à pandemia, Wilson Vásquez encontrou mãos amigas que o ajudam na Patagônia, onde está desde fevereiro

Pastor está há 9 meses longe de seu país após ficar retido em lockdown na Argentina

Esta semana, o pastor Wilson Vásquez cumpriu nove meses desde que deixou sua casa em Barranquilla, na Colômbia e foi confinado à Patagônia Argentina devido ao fechamento da fronteira pela pandemia do coronavírus.

Vásquez viajou na manhã de 8 de fevereiro, a Neuquén, na Patagônia, com a ideia de dar uma série de conferências em igrejas cristãs do extremo sul do continente.

A jornada de 45 dias começou na província de Neuquén e terminaria no dia 23 de março em Santiago do Chile, onde encerrou suas conversas com pastores evangélicos. Uma semana depois, ele deveria estar de volta em casa.

Neuquén, que fica a 8.500 quilômetros de Barranquilla, é a porta de entrada da Patagônia Argentina. É uma cidade petrolífera e ponto comercial do norte da Patagônia com cerca de 400.000 habitantes, junto com a área metropolitana.

É uma das regiões do sul da Argentina que mais cresceu nos últimos anos, graças à ‘vaca morta’ a maior reserva de petróleo do mundo. Tem um clima rigoroso: invernos rigorosos, em que a temperatura cai para zero grau, e bastante quente no verão. Tem uma paisagem quase deserta, onde nada cresce.

“Começamos em Neuquén, Plottier, Chipoletti (região metropolitana) e iniciamos uma viagem ao sul da Patagônia Argentina. Chegamos a Andacollo, uma cidade próxima à cordilheira dos Andes”, lembra Vásquez, que pregou em todas essas cidades e visitou emissoras locais levando sua mensagem.

Enquanto realizava essas atividades foi decretado o fechamento das fronteiras em decorrência da pandemia.

O pastor escreveu ao Itamaraty em busca de um voo humanitário para levá-lo de volta, mas não foi possível conseguir essa ajuda, já era tarde. O consulado não respondeu.

A partir de então ele ficou isolado, longe de sua casa, de seu povo, acompanhado apenas por uma fé inabalável, que tem sido sua companheira em todo esse tempo e que garante que muitas portas se abram para ele.

Apoio da família

Wilson Vásquez é pastor da Iglesia Grande de las Estrellas, localizada no bairro Las Estrellas, ao sul de Barranquilla. Ele é casado há 30 anos com Bianis Coronado. “Comemoramos o aniversário de longe”, diz ele. O casal tem cinco filhos e quatro netos.

“Minha esposa e meus filhos me mostraram do que são feitos. Eles têm mantido a casa e são o suporte de toda a igreja”, diz Vásquez, que, apesar da distância, faz sua pregação todos os dias e envia mensagens no Zoom e no Facebook.

“À distância, às três da tarde, começamos com os ensinamentos e conselhos para o povo”, disse ao El Tiempo, que conseguiu contatá-lo para contar sua história.

Ele garante que suas mensagens não só cheguem a sua comunidade em Barranquilla e Colômbia, mas se espalhem por países como Espanha, Argentina e Costa Rica.

A mão amiga

Em Neuquén, o pastor encontrou a mão amiga de Gustavo Baeza, um líder social casado com uma mulher de Barranquilla e que tem uma ONG que dirige trabalhos assistenciais em comunidades carentes.

“Moro aqui em um apartamento do meu amigo Gustavo, que tem me ajudado em tudo. Assim como todo o corpo de amigos e pastores. Eles têm estado atentos ao meu bem-estar”, diz o pastor.

Nestes novos meses, Vásquez afirma ter apoiado muitas causas sociais nesta região da Patagônia Argentina. "Começamos a distribuir alimentos para pastores e pessoas necessitadas."

Ele garante que também foram feitos sete comedouros, onde aos sábados distribuem comida para as crianças. Com o apoio do governo de Neuquén, continuam atendendo famílias carentes.

A isso se somam suas pregações e orações nas redes sociais. "Comecei a ajudar outras igrejas com ensinamentos."

Mas ele nunca se esqueceu de seu povo em Barranquilla, especialmente quando recebeu a notícia da devastação que o coronavírus estava causando.

“Também estávamos orando por Barranquilla, que é um milagre na Colômbia, a pandemia parou no dia 13 de agosto porque todos os pastores do litoral se reuniram”, diz.

Agora, o pastor Vásquez espera voltar para casa em breve. Esta semana ele estará em Buenos Aires. Ele já conversou com o governo argentino para obter uma autorização especial para viajar.

No dia 21 espera partir para Barranquilla, onde sonha ser recebido por sua família, amigos e, principalmente, por sua última neta, que nasceu há cinco meses, enquanto ele estava preso na Patagônia Argentina.

 

Fonte: Guiame/ Com informações do El Tiempo - Foto: Reprodução / El Tiempo