CPADNews

A perseguição aos cristãos na Síria

Perseguição violenta aumentou na Síria no último ano

Perseguição violenta aumentou na Síria no último ano
A perseguição aos cristãos na Síria

A Síria continua na 11ª posição da Lista Mundial da Perseguição 2020, a mesma do ano anterior. A média de pressão aos cristãos em todas as esferas da vida está em um nível extremo e a pontuação é de 13,8 pontos. Ela é mais forte na igreja, família e nação. Na vida privada e comunidade a pressão também é muito alta. Essa é uma situação típica em que a opressão islâmica é o principal tipo de perseguição, combinado à paranoia ditatorial.

A pressão da opressão islâmica está presente principalmente na vida privada, comunidade e igreja e é exercida em ambientes sociais. Já a pontuação para violência diminuiu de 13 para 12,6, a maior parte da queda é explicada por uma pequena queda no número de prédios cristãos que foram atacados, que passou de 7 para 5.

Como a opressão islâmica é o principal tipo de perseguição presente na Síria, ela é responsável pela maioria das atrocidades e atos de perseguição cometidas contra cristãos. Os militantes de grupos extremistas islâmicos são, atualmente, as maiores fontes de perseguição no país. Eles operam abertamente no Noroeste da Síria e em toda a região norte. Nas áreas onde exercem controle, líderes islâmicos seguem uma política de marginalizar os cristãos e outras minorias ou de forçá-los a fugir para outras áreas. Nessas áreas, é difícil distinguir entre “líder religioso” e “grupo religioso violento”. 

 

Militantes islâmicos controlam menos de 25% do território sírio

Os cristãos tinham um certo grau de liberdade religiosa antes da guerra civil, o que mudou com a chegada dos grupos militantes islâmicos. Desde 2016, o EI (Estado Islâmico) tem perdido território e até mesmo o controle de sua autoproclamada capital, Raca, em outubro de 2017. No entanto, a ameaça de retaliação pelo EI ainda existe. Em outubro de 2018, tornou-se claro que os militantes islâmicos estavam no controle de menos de 25% do território sírio.

A opressão islâmica também está presente em áreas controladas pelo governo, onde afeta principalmente os cristãos ex-muçulmanos. Nesse caso, a pressão é exercida pela família e comunidade dos convertidos. Discurso de ódio e zombaria contra cristãos por parte de líderes islâmicos ocorrem, mas não são permitidos em áreas controladas pelo governo.

Uma das principais características da população cristã da Síria é a combinação de sua identidade étnica e religiosa. Os cristãos sírios estão concentrados em áreas estratégicas do país, que são vitais tanto para os esforços de guerra do governo quanto da oposição, como as cidades de Alepo, Damasco e Homs (essa última no Sul, perto da fronteira com o Líbano). Essa concentração de cristãos em áreas estratégicas é um fator que os torna vulneráveis, assim como seu suposto apoio ao governo.