Anterior

ANTERIOR

Homem paralisado por 9 anos volta a andar após entregar sua vida a Jesus

13/08/2020

Universo Cristão

Pastor preso por dizer que orações podem curar leva prisioneiros à fé em Cristo

Um aumento na perseguição de cristãos no Nepal começou após a aprovação de um novo código criminal que entrou em vigor em 2018

Fonte: Guiame/ Com informações do Christian Daily - Foto: Reprodução / Morning Star News | 30/07/2020 - 13:20
Pastor preso por dizer que orações podem curar leva prisioneiros à fé em Cristo

Preso em 23 de março sob a acusação de espalhar informações falsas por dizer que as orações podem curar inclusive o novo coronavírus, o pastor Keshab Raj Acharya havia sido libertado em 8 de abril sendo preso novamente momentos depois, sob a acusação de "sentimentos religiosos ultrajantes" e "proselitismo".

"Depois de mais de três meses na prisão, onde levou vários prisioneiros à fé em Cristo, ele foi libertado em 3 de julho depois de pagar uma fiança equivalente a cerca de US$ 2.500”, disseram fontes.

"Foi muito difícil para mim", disse o pastor Acharya ao Morning Star News. “Eu pensava em meus filhos pequenos e em minha esposa, e clamava ao Senhor em oração. Eu olhava para ele na esperança de que, se fosse por Sua vontade que eu fosse submetido a isso, Ele me tiraria disso.”

O pastor conta que funcionários do governo e policiais trabalharam juntos contra ele.

"Eles estavam traçando um plano completo para garantir que eu ficaria na prisão por um período mais longo", disse o pastor Acharya.

As acusações contra Acharya violam um acordo de liberdade religiosa do qual o Nepal é signatário, disseram os defensores dos direitos e líderes cristãos no país do Himalaia.

Missão na prisão

Durante sua prisão inicial em Pokhara, o pastor conheceu um jovem que estava tão desanimado que estava pensando em suicídio, disse ele.

“Logo ele se tornou muito próximo do meu coração como um irmão mais novo. Orei com ele e o encorajei a confiar no Senhor Jesus”, disse Acharya. “Logo o Senhor encheu sua vida com esperança e alegria. Ele foi a primeira pessoa que se voltou para Jesus durante minha estada na prisão de Pokhara, e logo mais alguns outros também se voltaram para o Senhor.”

De volta à prisão

Após 17 dias na prisão de Pokhara, o pastor conseguiu distribuir Bíblias aos presos antes de ser libertado sob fiança e rapidamente preso novamente, contou.

"Eles ficaram muito felizes em ganhar [as Bíblias]", disse Acharya ao Morning Star News. "Fui libertado sob fiança depois que minha esposa pagou 5.000 rúpias nepalesas [US$ 41] em 8 de abril, mas depois de alguns minutos fui novamente preso."

Quando Acharya perguntou por que estava sendo preso novamente, a polícia disse que ele havia violado os costumes religiosos do Nepal, distribuindo folhetos do Evangelho em vários lugares.

Os policiais que o interrogaram também zombaram dele e o perseguiram, enquanto ordenavam que Acharya explicasse cada foto encontrada no telefone celular que lhe haviam confiscado.

O pastor Acharya tinha armazenado arquivos de folhetos do evangelho em seu telefone celular. Ao ver fotos de diferentes áreas do Nepal e as pessoas que ele conheceu lá, os policiais zombaram dele, dizendo que ele já esteve em todos os distritos e que as fotos eram evidências sólidas contra ele.

“Eles me ridicularizaram: 'Oh, você já percorreu todo o país pregando sobre Cristo contra a cultura e os costumes hindus de Sanathan. Você é uma ameaça para a nossa nação. Você não deve ser solto tão facilmente'', relatou o pastor Acharya.

Quando ele perguntou aos policiais por que ele estava sob custódia por tanto tempo, apesar de cooperar de todas as maneiras possíveis, eles falaram respeitosamente com ele e, ao mesmo tempo, inventaram falsas acusações contra o pastor.

“Os policiais me disseram: 'Senhor, você não é um criminoso. Você é um homem de Deus. O Senhor salvará você'”, disse o pastor, contando que os policiais distorciam o contexto da sua narração e escreveram declarações por conta própria para tornar o caso contra ele mais fortes.

“Somente quando fui apresentado perante o juiz soube o que eles escreveram sobre mim. E fiquei surpreso ao ver a polícia distorceu minhas declarações antes de apresentá-las ao tribunal para que o juiz realmente pensasse que eu sou uma ameaça à segurança nacional”, disse.

Fiança exorbitante

A polícia apresentou acusações de ultraje a sentimentos religiosos e de proselitismo e, em 19 de abril, um juiz do distrito de Kaski fixou uma fiança de 500.000 rúpias nepalesas (US$ 4.084), consideradas desproporcionalmente altas pelo nível de acusações contra ele.

“Toda vez que eu pedia à polícia que me mostrasse as declarações que escreveram sobre mim, eles não me permitiam lê-las e pegavam minhas assinaturas sem que eu lesse uma palavra”, disse o pastor.

O pastor contou que quando os presos perguntavam por que ele estava encarcerado, ele compartilhava o Evangelho com os prisioneiros, incluindo os "crentes desviados".

“Alguns deles até me pediram para batizá-los e me disseram que desejam voltar ao Senhor”, contou. “Eu não estava nem um mês dentro da prisão em que havia desenvolvido uma forte amizade com os presos. Foi apenas o amor de Cristo que me confortou, mesmo através da tortura mental e extremo desconforto físico.”

Hostilidade

Após 25 dias, a polícia planejava transferi-lo para a prisão mais remota do distrito de Dolpa, que tem reputação de maus-tratos e más condições.

Em 13 de maio, policiais o prenderam nas dependências do tribunal por um terceiro conjunto de acusações e o enviaram à prisão de Dolpa. Eles o trataram como um criminoso mais procurado, parando em todas as delegacias ao longo do caminho e mudando frequentemente o pessoal que o levava na viagem de três dias, disse.

"Alguns policiais que me acompanharam não usavam máscaras", disse o pastor Acharya ao Morning Star News. “Me ofereceram comida em pratos que não estavam limpos e, especialmente porque a propagação do Covid-19 no Nepal estava aumentando, eu tinha preocupações com segurança e higiene. Mas dei graças e comi o que eles ofereceram.”

Acusando o pastor Acharya de imprimir e distribuir folhetos evangélicos, em 21 de maio, a promotoria de Dolpa registrou queixas sob a Seção 158 (1) do Código Penal do Nepal, que proíbe converter alguém de uma religião para outra, e a Seção 158 (2), que proíbe minar a religião de alguém com a intenção de converter outra pessoa.

Em 22 de maio, foi negada a fiança ao pastor, mas pouco mais de um mês depois, o juiz distrital analisou a ordem e decidiu libertá-lo temporariamente sob fiança de 300.000 rúpias nepalesas (cerca de US$ 2.500). Cinco dias após o pedido, ele foi libertado em 3 de julho.

Preocupações sobre a liberdade religiosa

O pastor Mukunda Sharma, secretário executivo da Sociedade Cristã do Nepal, disse ao Morning Star News que indivíduos e organizações cristãs preocupadas com a liberdade religiosa em todo o mundo se apresentaram para estender o apoio à oração e à ação. A Equipe de Resposta Rápida da Sociedade Cristã do Nepal formou um comitê de três membros para trabalhar em seu caso logo depois de ouvir sobre ele, disse ele.

"Tivemos conversas com os policiais nas três delegacias onde o pastor Acharya foi enquadrado em casos de divulgação de informações falsas de que as orações poderiam curar o Covid-19 e ultrajar sentimentos religiosos e proselitizar hindus ao cristianismo", disse o pastor Sharma.

“Como o Nepal é um estado secular e a constituição do Nepal garante a liberdade religiosa e a liberdade de expressão a todos os cidadãos da mesma forma, o comitê estudou o caso do pastor Keshab e chegou à conclusão de que ele havia sido falsamente enquadrado em casos contra os nepaleses. leis da terra e também leis internacionais de direitos humanos”, disse.

A sociedade contratou a advogada da Suprema Corte Govinda Bandi e fez uma petição ao tribunal, mas seus pedidos foram rejeitados.

“Durante toda a prisão, o pastor Acharya foi tratado como um criminoso notório. Suas mãos estavam amarradas para trás quando a polícia o deslocou de um lugar para outro”, disse ele. “Preocupado com a prisão e o tratamento desumano do pastor Keshab Acharya, a Sociedade Cristã do Nepal, junto com indivíduos e organizações de todo o mundo, solicitou ao procurador-geral do Nepal, Sr. Agni Kharel, que desistisse de todas as acusações ilegais contra o pastor Acharya e mantivesse a liberdade de religião e crença.”

Gratos pelo apoio

A esposa do pastor Acharya, Junu Acharya, disse ao Morning Star News que gostaria de agradecer a todos que oraram e apoiaram sua família durante todo o calvário. Incapaz de pagar o aluguel em suas instalações de culto, ela disse, que a igreja precisou desocupar o prédio.

“Sentimentos ultrajantes de religião” nos termos da Seção 158 do Código Penal do Nepal são puníveis com pena de prisão até cinco anos e multa de até 50.000 rúpias nepalesas (US$ 403). De acordo com a Seção 156, é punível com pena de prisão até dois anos e multa de até 20.000 rúpias nepalesas (US$ 163).

Embora a constituição de 2015 do Nepal a estabeleça como uma república secular e democrática, sua definição de "secular" parece proteger o hinduísmo e permite que outros apenas adorem em suas próprias crenças. O Artigo 26 proíbe qualquer pessoa de "converter uma pessoa de uma religião em outra religião ou perturbar a religião de outras pessoas".

Grupos de defesa detectaram aumento da fiscalização e outros esforços anticristãos, pois as autoridades buscam aplacar os hindus, indignados com o fato de a nova constituição não restabelecer um lugar mais proeminente para o hinduísmo. Um país sem litoral entre os gigantes da Índia e da China, o Nepal é considerado mais de 75% hindu e 16% budista. Estima-se que os cristãos representem quase 3% da população do Nepal e os muçulmanos 4,4%.

O advogado aliado do grupo de defesa legal Alliance Defending Freedom no Nepal disse que os cristãos que foram atingidos principalmente por acusações falsas de "conversão forçada" agora estão sendo acusados ??de pregar ou falar publicamente sobre sua fé.

Um aumento na perseguição de cristãos no Nepal começou após a aprovação de um novo código criminal em outubro de 2017, que entrou em vigor em agosto de 2018.

Ao criminalizar as conversões, o Nepal violou a liberdade fundamental de religião ou crença que é garantida não apenas por sua constituição, mas também garantida por vários convênios internacionais, de acordo com a ADF-International.

"A constituição do Nepal proíbe a tentativa de conversão religiosa", de acordo com comunicado da ADF. "Ao mesmo tempo, o Nepal é signatário do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, um tratado internacional que protege explicitamente a liberdade de religião e expressão".

O Nepal ocupa a 32ª posição na lista de observação mundial da organização de apoio cristão Portas Abertas para 2020 dos países onde é mais difícil ser cristão.