Anterior

ANTERIOR

Homem paralisado por 9 anos volta a andar após entregar sua vida a Jesus

13/08/2020

Universo Cristão

Partido Comunista Chinês proíbe produção de filmes com conteúdo cristão

Em 2018, o presidente chinês Xi Jinping colocou o escritório de propaganda do Partido Comunista encarregado de regular os filmes

Fonte: Guiame/ Com informações do Christian Post - Foto: Reprodução / AFP | 29/07/2020 - 10:00
Partido Comunista Chinês proíbe produção de filmes com conteúdo cristão

A China emitiu novas diretrizes rígidas que proíbem programas de cinema e televisão, incluindo casos de milagres e curas - um movimento que alguns temem proibir completamente o conteúdo cristão.

De acordo com a UCA News, a Administração Nacional de Rádio e Televisão, que controla o conteúdo de rádio, cinema e TV transmitido na China, aprovou recentemente novos regulamentos que proíbem 20 categorias de conteúdo, incluindo material que promove a história fabricada, relíquias sagradas, posses demoníacas, e exemplos de fé e cura.

Um cineasta que trabalha com a indústria de cinema e televisão da igreja disse que as novas diretrizes "quase totalmente banem" o conteúdo baseado na fé.

O cineasta, que se identificou como Joseph, disse à UCA News: "Se filmarmos a vida de Jesus, evitando o conteúdo proibido pelas diretrizes, apresentaremos Jesus apenas como uma pessoa comum, e isso é inaceitável para os cristãos".

As diretrizes também exigem que os cineastas “não filmam o lado sombrio da sociedade, mas filmam a boa vida das pessoas normais” e estipulam que os dramas históricos devem se basear na “história verdadeira” e não na fabricação.

O padre Yo, de Shandong, chamou as diretrizes de "estranhas". “Como as pessoas podem ter uma vida boa quando nem sequer têm o direito natural à liberdade de religião? Se nem sequer temos os direitos humanos mais básicos, como podemos ser bons? "

"O que é a verdadeira história? É aquela fabricada pelo Partido Comunista Chinês? Não levaria à criação de mais dramas falsos na televisão, alinhados com o partido, para fazer uma lavagem cerebral no público?", questiona.

Autoridade absoluta

Em 2018, o presidente chinês Xi Jinping colocou o escritório de propaganda do Partido Comunista encarregado de regular os filmes. Anteriormente, Xi anunciou que "todo o trabalho da mídia do partido deve refletir a vontade do partido, salvaguardar a autoridade do partido e salvaguardar a unidade do partido".

Zhang Lifan, historiador, disse ao The New York Times que as tentativas de Xi de impor total controle sobre a mídia são uma maneira de ele "anunciar sua autoridade absoluta".

"Ele não se sente eficaz e confiante ao lidar com os problemas e não tem um senso de segurança", disse Zhang. "Ele teme que o Partido Comunista Chinês perca poder político, e também teme que seus colegas o afastem de sua posição".

No ano passado, um ex-funcionário de uma das maiores empresas de tecnologia da China monitora os telefones celulares dos cidadãos, bloqueando qualquer palavra considerada "sensível ao estado" - como "Deus Todo-Poderoso".

Bíblia proibida

Em 2018, a China proibiu varejistas on-line de vender a Bíblia em esforços para controlar o crescente cenário religioso do país.

A China alega que permite a liberdade religiosa; no entanto, vem realizando uma ofensiva contra igrejas clandestinas e ativistas cristãos há anos.

Um relatório recente da International Christian Concern, órgão de vigilância da perseguição, documenta como o PCC atinge os cristãos por meio de sua campanha de “sinicização”, que significa fazer crenças, incluindo o cristianismo, alinhar-se com a interpretação do comunismo.

Especificamente, o relatório observa que a campanha “busca diminuir a eficácia da teologia cristã” removendo símbolos cristãos nas igrejas e substituindo-os por símbolos do PCC, reescrevendo partes da Bíblia, observando os principais feriados cristãos com um toque comunista e doutrinando clérigos e líderes sancionados com dogma do PCC.

"O Bureau de Assuntos Religiosos e o PCC têm um único objetivo: impedir que a influência religiosa ameace seu controle comunista", diz o relatório.

"A questão da liberdade religiosa internacional é uma questão que deve estar no centro dos interesses dos EUA", acrescenta. "Ambos os lados do debate político concordam que o flagrante desrespeito da China pela liberdade religiosa deve ser interrompido. É somente por meio da união que políticas eficazes serão aprovadas e os EUA enviarão uma mensagem clara à China de que sua perseguição à religião é inaceitável.”

A Portas Abertas dos EUA classifica a China em 23º lugar na sua lista de observação mundial dos 50 países onde é mais difícil ser cristão.

"Uma política de 'sinicizar' a igreja está se tornando cada vez mais influente, porque o Partido Comunista depende fortemente da identidade cultural chinesa para permanecer no poder", explica a Portas Abertas. "As novas restrições à internet, mídias sociais e ONGs - e os novos regulamentos sobre religião - estão limitando seriamente a liberdade".