Anterior

ANTERIOR

Idosa de 94 anos entrega sua vida a Jesus e se batiza: `Nunca é tarde demais´

03/06/2020

Universo Cristão

Missão médica relata curas milagrosas de diversas enfermidades na Colômbia

A Missão Médica do Farol chegou à fronteira da Venezuela com a Colômbia em 7 de março, antes que os EUA fossem paralisados por causa do coronavírus

Fonte: Guiame/ Com informações do God Reports - Foto: Reprodução/God Reports | 30/03/2020 - 15:30
Missão médica relata curas milagrosas de diversas enfermidades na Colômbia

Johnny Huerta e uma equipe de seis médicos, oito enfermeiros e 24 outros voluntários foram para Cucuta, Colômbia, em uma missão médica para levar o amor de Cristo de maneira tangível.

Johnny, que é pintor e jogador de beisebol de Santa Mônica, conta que eles foram “invadidos por pessoas”. “Eles estavam nos agarrando, e gritavam ‘ore por mim, ore por mim’’, disse o missionário.

Os pedidos de oração aumentaram após algumas curas milagrosas e exorcismos, disse Johnny.

A Missão Médica do Farol, que começou há 25 anos na África Ocidental devastada pela guerra, aterrissou na fronteira da Venezuela com a Colômbia em 7 de março - antes que a maioria dos EUA fosse travada por temores de coronavírus. A crise humanitária de 40.000 travessias diárias de fronteira foi essencialmente eclipsada.

A equipe de Santa Mônica prestou assistência médica, ajudou com medicamentos e distribuiu 3.000 refeições por dia em conjunto com a World Central Kitchen em três áreas: em Cucuta, em uma vila de Yukpa, nos arredores da cidade e nas proximidades de Pamplona.

As 39 pessoas que participaram da missão se dividiram em equipes para ministrar em cada área.

Curas

Enquanto os médicos viam pacientes, os pastores e líderes leigos oravam pelas pessoas, muitas das quais foram curadas antes mesmo de receberem atendimento médico, diz Johnny

Foi quando eles começaram a se enxamear.

Como a bruxaria é amplamente praticada na região, várias pessoas foram libertadas de espíritos demoníacos, diz Johnny.

“Uma senhora foi libertada da possessão demoníaca. Ela parecia super oprimida de antemão e depois foi tudo sorrisos”, diz Johnny. “Eles praticam bruxaria e espiritismo por causa de suas circunstâncias. Eles estão buscando ajuda. Mas quando chegamos a eles com o evangelho, eles estavam abertos.”

Johnny ficou pasmo com o que viu. Uma vez em um pit stop enquanto dirigia de volta para casa, Johnny e outros membros da equipe viram uma senhora com três filhos tentando comprar comida sem dinheiro. Quando a equipe se ofereceu para pagar, ela e seus filhos começaram a chorar.

"Experimentamos o que eles estão passando. Você pode ver o desespero deles”, disse o missionário.

Histórias de horror

Johnny conta que as histórias que ele ouviu de membros da família de pessoas mortas e deixadas para trás o horrorizaram, assim como a miséria que ele testemunhou. Na aldeia Yukpa, não havia banheiros e as pessoas viviam em cabanas feitas de galhos de árvores e lonas de plástico.

"As pessoas podem viver com pouco e ainda serem felizes, mas isso não é saudável", diz Johnny. "Eles tomam banho em um rio insalubre, e é por isso que eles adquirem muitas infecções. Eles também bebem daquele rio”.

O missionário contou ainda que “eles têm cabanas improvisadas construídas com lixo. Os bebês estão andando nus. Eles praticamente não têm nada. Foi uma daquelas situações chocantes em que você diz: ‘Uau, as pessoas estão acordando e vivendo assim todos os dias em condições insalubres’’.

A equipe levou dois chefs, mas eles foram impedidos de servir até a obtenção de licenças para preparação de alimentos na Colômbia.

Quando chegaram à fronteira no primeiro dia, "não tínhamos certeza de como eles reagiriam quando saímos da van para servir a comida", diz Johnny. “Eles estavam desesperados por comida e nos superavam em número. Imediatamente eles atropelaram e tentamos colocá-los em fila, o que acabou se tornando uma multidão”.

As missões de curto prazo são altamente recomendadas porque podem impactar os frequentadores de igrejas americanas para sempre.

"Fiquei agradecido por eles terem me dado o privilégio de poder ir", diz Johnny. “Você sente que tira mais proveito do que dedica. Sou mais maduro na minha fé e na minha vida do que era antes."

Em Pamplona, a equipe atendeu 3.000 pacientes.