Anterior

ANTERIOR

Ex-traficante tem encontro com Deus na prisão

03/07/2020

Universo Cristão

Idosa vence batalha judicial para realizar estudo bíblico em seu condomínio, nos EUA

Donna Dunbar foi proibida de realizar um culto cristão com mulheres, iniciado em 2018 na sala comum do complexo residencial onde mora

Fonte: Guia-me / com informações Christian Post / Foto: Reprodução/First Liberty Institute | 10/02/2020 - 17:00
Idosa vence batalha judicial para realizar estudo bíblico em seu condomínio, nos EUA

Uma mulher cristã da Flórida apresentou uma queixa federal depois que a associação de proprietários a impediu de continuar um estudo bíblico na sala social do condomínio onde mora. Depois de uma batalha judicial, houve um acordo que lhe permite continuar com a atividade religiosa.

O acordo diz que Donna Dunbar, ministra leiga adventista do sétimo dia que administra junto com seu marido uma cozinha de sopa reconhecida nacionalmente, “pode continuar a usar a sala social semanalmente para realizar um estudo bíblico sem estar sujeita a regras ou restrições especiais".

Em comunicado, o First Liberty Institute disse que o acordo trouxe "excelentes notícias": "A vitória dela é mais uma prova de que estamos participando de um momento histórico decisivo quando pessoas de fé estão reivindicando a liberdade religiosa a um ritmo sem precedentes", afirmou o grupo.

A idosa aposentada iniciou um estudo bíblico para mulheres no ano passado na sala comum do complexo da Cambridge House em Port Charlotte, Flórida, por duas horas, nas manhãs de segunda-feira. Ao menos 10 amigas, incluindo algumas não residentes, participaram do estudo.

Cerca de três meses depois, Dunbar foi informada pelo então tesoureiro do Conselho de Administração da Cambridge House que o grupo teria que adquirir seguro para as reuniões. Nenhum outro grupo foi obrigado a comprar um seguro para usar as áreas comuns para suas reuniões. Depois de contestar a necessidade de seguro, Dunbar seguiu em frente e cumpriu as exigências para que o estudo semanal da Bíblia pudesse continuar.

No entanto, o conselho de administração da Cambridge House aprovou uma resolução dizendo: "Orações e outros serviços religiosos, observações ou reuniões de qualquer natureza não ocorrerão ... em qualquer uma das áreas comuns".

Após a decisão, Dunbar recebeu uma carta explicando que a nova resolução “proíbe reuniões de estudo da Bíblia na sala social”.

A queixa de Dunbar alegava que uma placa foi colocada no topo do órgão na sala da comunidade, dizendo: “TODA E QUALQUER MÚSICA CRISTÃ ESTÁ PROIBIDA!”

Vitórias

Mas agora, "Donna poderá viver livremente sua fé e usar a sala social como todos os outros residentes", disse o grupo.

O Fair Housing Act protege as pessoas contra a discriminação com base em raça, cor, origem nacional, religião, sexo e deficiência quando alugam, compram ou garantem finanças para uma casa.

Em janeiro, um casal da Virgínia, Kenneth e Liv Hauge, que foi ameaçado de despejo de seu lar de idosos se continuassem a realizar reuniões de estudo da Bíblia, também ganhou o direito de ter aulas novamente.

O casal foi representado pela First Liberty e chegou a um acordo com os Evergreens em Smith Run, em Fredericksburg, permitindo que continuassem dando aulas bíblicas e exibindo filmes na sala da comunidade.

Em julho de 2018, a Community Realty Company, empresa controladora da Evergreens, enviou um aviso aos Hauges dizendo que eles deveriam parar de realizar seus estudos bíblicos na sala da comunidade do centro de vida sênior ou enfrentar despejos.

O estudo semanal da Bíblia "causou e continua a causar distúrbios graves e substanciais com outros moradores da comunidade", afirmou o comunicado.

O processo dos Hauges argumentou que a administração os havia discriminado com base na religião. O processo também alegou que os Evergreens estavam proibindo a oração antes das refeições e se recusando a permitir que a chamassem de "estudo da Bíblia", mas sim de "resenha".