Anterior

ANTERIOR

Doe esperança aos irmãos e irmãs da Igreja Perseguida

13/12/2019

Universo Cristão

Cristãos do Congo sofrem 10 ataques terroristas em menos de um mês

Durante cerca de três semanas, o grupo terrorista Forças Democráticas Aliadas matou mais de 80 pessoas em seus ataque

Fonte: Guia-me / com informações Portas Abertas (EUA) / Foto: World Watch Monitor | 29/11/2019 - 10:35
Cristãos do Congo sofrem 10 ataques terroristas em menos de um mês

Somente neste mês de novembro, cristãos na província de Kivu, do Norte da República Democrática do Congo (RDC) sofreram uma série de pelo menos 10 ataques do grupo extremista islâmico "Forças Democráticas Aliadas".

Os ataques mataram pelo menos 84 pessoas, incluindo homens, mulheres e crianças. A Missão Portas Abertas (EUA) confirmou que mais da metade das vítimas (47) eram cristãs. Pelo menos 13 pessoas estão desaparecidas - incluindo uma garota de 16 anos - as quais acreditam-se que foram sequestradas.

Segundo relatos, a maioria das perdas ocorreu depois que o governo lançou a Operação Sukola 1, um esforço para desalojar as forças das Forças Democráticas Aliadas (FDA) da área.

Mas a operação custou muito à população majoritariamente cristã, com pelo menos 10 ataques desde o início do mês. As FDA - um dos vários grupos extremistas que apaiam a islamização do país - são conhecidas por realizar atrocidades, como assassinatos (incluindo crianças), estupro, sequestro de mulheres e crianças e subsequente escravidão e / ou doutrinação.

O pastor Gilbert Kambale, presidente da organização da sociedade civil da cidade de Beni, pediu aos cristãos no Kivu do Norte e em outros lugares que continuem orando pela libertação de Beni e da República Democrática do Congo.

"Mesmo que a noite seja longa, o dia certamente amanhecerá", observou o pastor Gilbert.

Para ajudar a entender como foi o último mês para os cristãos desta área da África Central, abaixo, segue um resumo dos ataques que começaram no dia 5 de novembro e continuaram durante as três semanas seguintes.

5 de novembro: Cerca das 6 horas da manhã, suspeitos de militantes do ADF emboscaram civis em torno da vila de Kokola, matando pelo menos 10 pessoas, três delas cristãs e ferindo quatro. Uma menina de 16 anos ainda está desaparecida.

10 de novembro: Quatro cristãos foram mortos em um ataque na cidade de Eringeti. Fontes disseram que os agressores entraram em silêncio na cidade, mataram suas vítimas e saíram sem ninguém ouvir os tiros.

11 de novembro: Pelo menos três pessoas foram mortas nas aldeias de Mayimoya e Bambuka Kisiki; e pelo menos dois outros desapareceram. Três das vítimas eram cristãs.

14 de novembro: Seis pessoas (quatro mulheres, um homem e uma criança), todos membros da mesma família, foram mortos na cidade de Oicha, perto da cidade de Mabasele. Vários outros ficaram feridos. Segundo relatos, este foi o terceiro ataque naquela semana. Anteriormente, militantes tentaram tomar o Hospital Geral de Oicha. Segundo um líder da igreja, a população de Mabasele fugiu pela enésima vez, mas voltou no dia seguinte, apenas para sofrer outro ataque.

15 de novembro: Entre as 22h e 1 da manhã (horário local), os terroristas das FDA atacaram Mabasele, matando seis mulheres, três delas cristãs que foram à igreja para orar e foram mortas em Kikanda por volta das 11 da manhã, enquanto faziam o caminho de casa. Três outras pessoas foram mortas diante deles. Mais tarde, supostos combatentes das FDA atacaram um veículo em torno de Kokola. Cinco pessoas foram mortas, incluindo duas mulheres cristãs e três homens.

16 de novembro: Cerca de 15 pessoas foram mortas na área de Palmba, Mbau. Dessas 15, oito delas (cinco mulheres, dois homens e uma criança de 6 anos) eram cristãs. Grande parte da população de Mbau fugiu pela enésima vez para Beni.

17 de novembro: Por volta das 22h, suspeitos terroristas das FDA invadiram o bairro Pakanza na área de Oicha e permaneceram até cerca de duas horas da manhã, matando seis pessoas (incluindo três mulheres, um homem e duas crianças). Pelo menos outros quatro sofreram ferimentos.

19 de novembro: em um ataque de três horas, das 16h às 19h (horário local), cerca de 14 pessoas morreram em um ataque possivelmente realizado também pelas FDA na área de Mavete, perto do centro da cidade de Oicha. No final do dia, o número de mortos havia aumentado para sete e no dia seguinte mais sete pessoas foram encontradas a alguns quilômetros de distância. Eles mataram três crentes (duas mulheres e um homem) antes de saquearem remédios de um centro de saúde de uma igreja local. Eles também incendiaram parte do edifício. A maioria da população de Mavete fugiu para Beni, enquanto alguns foram para a cidade de Ndalya.

20 de novembro: supostos terroristas das FDA invadiram o distrito de Boikene em Beni por volta das 2 da manhã e mataram 15 pessoas, todos cristãos. Dez pessoas foram desaparecidas.

Anos de derramamento de sangue

A República Democrática do Congo fica na África central e é um dos maiores países do continente. Com 80 milhões de hectares de terras aráveis e mais de 1.100 minerais e metais preciosos disponíveis, também é extraordinariamente rico. Sua riqueza é uma das principais razões pelas quais a violência e a turbulência compõem grande parte de sua história.

Nos últimos anos, surgiram relatos de violência persistente contra a população majoritariamente cristã no nordeste da RDC. A situação de segurança é muito complexa devido aos muitos grupos diferentes envolvidos, alguns dos quais apoiam uma agenda expansionista islâmica.

Durante uma visita no ano passado, os funcionários da Portas Abertas descobriram que a situação não melhorou nada e que as atrocidades cometidas contra os cristãos estão causando deslocamento, pobreza, desespero e muitos problemas de saúde e psicológicos. A violência também impactou negativamente a vida da Igreja no país.