Anterior

ANTERIOR

Doe esperança aos irmãos e irmãs da Igreja Perseguida

13/12/2019

Universo Cristão

Gari cristão é acusado de `blasfêmia´ após encontrar páginas do Alcorão no lixo

Amir Masih foi acusado pelo proprietário muçulmano de uma loja após levar as páginas do Alcorão até ele

Fonte: Guiame / com informações Barnabas Fund / Foto: Reprodução/Barnabas Fund | 13/11/2019 - 11:00
Gari cristão é acusado de `blasfêmia´ após encontrar páginas do Alcorão no lixo

Em um movimento raro, a polícia interveio para impedir que muçulmanos atacassem o cristão Amir Masih, um trabalhador de saneamento, que realiza recolhimento de lixo, limpeza de esgotos e outros trabalhos sanitários (função equivalente a gari).

A ação aconteceu em Yousafabad, Paquistão, depois que ele foi falsamente acusado de "blasfêmia".

As acusações de "blasfêmia" contra Amir foram retiradas imediatamente quando a polícia descobriu em suas investigações que as páginas do Alcorão que Amir possuía haviam sido encontradas em um saco de lixo coletado por ele em residências locais como parte de seus deveres no saneamento.

Amir levou as páginas a uma loja de propriedade muçulmana para confirmar se eram do Alcorão, mas foi acusado pelo dono da loja de ser um "coletor de lixo impuro" e arrastado para uma mesquita local.

O imã na mesquita fez um anúncio em alto-falante de que "um cristão blasfemo havia sido parado", exortando outros imãs a punirem Amir e a queimarem casas cristãs locais, quando a polícia entrou.

A "blasfêmia" contra Muhammad acarreta uma pena de morte obrigatória nos termos da seção 295-C do Código Penal do Paquistão e, muitas vezes, a mera acusação de "blasfêmia" é suficiente para incitar um assassinato por uma multidão.

Sob a seção 295-B, "profanação intencional, dano ou profanação do Alcorão" acarreta uma sentença de prisão perpétua. Às vezes, a polícia pode deixar de agir contra essa violência da multidão em casos de "blasfêmia", mas nesse incidente, a ação da polícia salvou Amir de danos.

As acusações de blasfêmia contra Amir Masih, de Yousafabad foram retiradas.

A polícia convenceu os imãs locais a abandonar suas acusações contra Masih e, eventualmente, apresentou uma acusação de blasfêmia contra pessoas ou pessoas desconhecidas.