Anterior

ANTERIOR

Bíblia de bolso impede bala de atingir policial no peito durante protestos na Bolívia

14/11/2019

Universo Cristão

Cristãos sírios temem ser exterminados com invasão turca em seu país

À medida que continua a invasão turca, crescem as evidências nas mídias sociais e nos relatórios regionais de que os cristãos são um alvo

Fonte: Guia-me / com informações CBN News / Foto: CBN News | 21/10/2019 - 14:15
Cristãos sírios temem ser exterminados com invasão turca em seu país

Um porta-voz das Forças de Defesa da Síria (SDF), lideradas pelos curdos, diz que evacuaram completamente combatentes de uma cidade fronteiriça síria, sitiada pelos EUA e pelo cessar-fogo turco.

"Como parte do acordo para interromper as operações [militares] com a Turquia com a [mediação] americana. Hoje, evacuamos a cidade de Ras Al-Ain de todos os combatentes do SDF. Não temos mais combatentes na cidade ”, disse o porta-voz da SDF Kino Gabriel no domingo.

O cessar-fogo termina na terça-feira, mas se a SDF não tiver deixado suas áreas designadas até então, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan prometeu "esmagar as cabeças curdas".

À medida que continua a invasão turca, iniciada há quase duas semanas, crescem as evidências nas mídias sociais e nos relatórios regionais de que os cristãos são um alvo.

Ao longo da fronteira turco-síria, estão surgindo relatórios de cristãos vivendo, morrendo e fugindo diante de um ataque turco auxiliado por tropas jihadistas. Eles esperam que seus pedidos cheguem aos cristãos ocidentais.

Em janeiro deste ano, em Kobane, a agência cristã de notícias CBN News entrevistou o pastor Zani e sua esposa Chinar, depois que o presidente Donald Trump disse que retiraria as tropas americanas. Na época, eles fizeram um pedido ao presidente.

"Por que o presidente Trump fez isso e imediatamente quis retirar as forças daqui? É possível que ele não esteja considerando a Igreja ou que não saiba que há crentes aqui?", Disse Zani.

Cerca de 10 meses depois, a CBN New recebeu uma mensagem de Chinar por meio de um aplicativo criptografado.

"Temos medo de uma coisa, [se] Kobane entrar no cerco, e o gás, combustível, alimentos e suprimentos médicos e os meios de aquecimento forem cortados, isso se tornará um verdadeiro desastre. Não sabemos o que acontecerá a seguir", dizia a mensagem.

A quilômetros de Kobane, em Sari Kani, a Rohani TV entrevistou Ziad Mussa, o único cristão que restou na cidade.

Mussa disse que o Estado turco "está mirando os cristãos" e que a Turquia "visa aniquilar as pessoas da região e impor uma mudança demográfica".

Mussa também afirmou que a Turquia está "destruindo as igrejas e a herança cristã e tentando aniquilar os cristãos desta região".

Um relatório da Rudaw24 documentou os medos dos cristãos em Qamishli.

Um cristão chamado Sawmi disse à organização de notícias que se milícias apoiadas pela Turquia entrarem na cidade, os cristãos não serão poupados.

"Vocês, povo da América: o cristianismo está em perigo. Se o cristianismo morrer no leste, também morrerá como um todo, porque nós, os siríacos, falamos a língua de Jesus. A língua siríaca é a língua aramaica. Se nós morrermos, não restará mais cristãos", disse.

O rabino Abraham Cooper, do Centro Simon Wiesenthal, em Jerusalém, disse que os EUA devem proteger a liberdade religiosa.

"Nossas liberdades religiosas estão em nosso cerne como povo americano e tenho vergonha de ver isso acontecer. Não deveria ter acontecido. Se isso acontecer em tempo real, os Estados Unidos terão de desempenhar um papel para impedí-lo", disse ele.

O rabino Cooper destacou mais dados sobre a situação dos cristãos após a invasão turca.

“A CBN teve a gentileza de me fornecer um e-mail muito longo, literalmente da linha de frente. Tão perturbador que enviei o fato ao Secretário de Estado e ao vice-presidente, duas pessoas no governo, pessoas importantes do governo, comprometidas com a questão de proteger as minorias religiosas", explicou Cooper.

Cooper, como muitos outros líderes, espera que o presidente Trump revire o curso.

"É um desastre. Sabe-se que o presidente muda de rumo rapidamente. Eu me juntaria àqueles que esperam e oram para que ele imponha mais força, tanto em termos das sanções que afetam Erdogan, quanto, se necessário, usando o poder aéreo americano, que ainda é massivo para impor uma linha vermelha", afirmou.

Antes da invasão turca, estimava-se que 100.000 cristãos vivessem no nordeste da Síria, que ainda permanecem no berço do cristianismo após a invasão de Erdogan, mas ainda há muitos que esperam ajuda do Presidente dos Estados Unidos e da Igreja nos Estados Unidos.