Anterior

ANTERIOR

Pastores do Brasil se unem em Israel para orar pela paz de Jerusalém

07/10/2019

Próximo

PRÓXIMA

Abu Dhabi reconhece oficialmente 17 igrejas

07/10/2019

Universo Cristão

Desde 2015, quase 40 mil judeus russos se mudaram para Israel

Com antissemitismo em ascensão na Rússia, descendentes de judeus retornam às suas origens

Fonte: Guia-me / com informações JTA / Foto: Reprodução/JTA | 07/10/2019 - 13:40
Desde 2015, quase 40 mil judeus russos se mudaram para Israel

Um êxodo de judeus emigrando da Rússia para Israel aumentou dramaticamente nos últimos quatro anos, em meio a temores de que a antiga superpotência comunista esteja se tornando menos democrática.

Embora a economia e o crime também possam ser um fator contribuinte, alguns cunharam esse fenômeno crescente "Putin aliá", citando uma deterioração significativa da liberdade do atual presidente Vladimir Putin, de acordo com um relatório da Agência Telegráfica Judaica.

Desde 2015, quase 40 mil judeus russos fizeram aliá, em comparação com apenas 36.784 em toda a década anterior. No ano passado, dez mil judeus russos chegaram a Israel e este ano o número provavelmente chegará a 15 mil, estimam as autoridades israelenses.

A Rússia vem reprimindo a mídia, opositores políticos e entidades religiosas há anos, de acordo com grupos de direitos humanos. Mas os judeus certamente estão sentindo os efeitos.

Na última década, por exemplo, o governo ajudou a abrir um museu judaico em Moscou e sinagogas em todo o país, enquanto restaurantes kosher estão abrindo e eventos culturais judaicos estão ajudando os judeus a se sentirem mais em casa.

No entanto, ao mesmo tempo, os atos antissemitas aumentaram dramaticamente. Em um incidente, os nacionalistas entraram em uma sinagoga para conduzir uma busca ilegal por evidências de "uma conspiração terrorista".

As acusações antissemitas também foram infundidas em processos judiciais envolvendo judeus e alguns livros judaicos também foram banidos.

Em outro exemplo, uma dúzia de rabinos estrangeiros foram expulsos do país. O rabino Boruch Gorin, porta-voz da Federação das Comunidades Judaicas da Rússia, disse que a expulsão não era antissemita por natureza, mas visava uma repressão mais ampla ao clero estrangeiro.

No entanto, os judeus estão saindo da Rússia, pelo menos em busca de uma sociedade mais aberta e democrática.

Decisões

Especialista em Marketing, Dima Eygenson, 39 anos, conta que tinha um negócio próspero na Rússia, e que para ele o atrativo de Israel era em grande parte espiritual. Enquanto visitava a mística cidade do norte de Safed, há vários anos, ele experimentou uma "conexão repentina e profunda" à sua identidade judaica.

Mas, segundo Eygenson, o putinismo e suas conseqüências foram um fator decisivo em sua decisão de se mudar com sua filha de 14 anos e sua esposa não judia, que deu à luz um segundo filho em Israel no início deste ano.

Grigory Zisser, um programador de 32 anos que imigrou em 2017 para Bat Yam, perto de Tel Aviv, disse à JTA que fez a mudança porque "quando eu começo uma família, quero que meus filhos cresçam no mundo livre".

A repressão russa da mídia e da oposição política vem se formando há anos e foi minuciosamente documentada por grupos internacionais de direitos humanos.