Anterior

ANTERIOR

Propriedade e gado de novos cristãos são destruídos no Vietnã

10/10/2019

Universo Cristão

Gráficas que imprimem materiais religiosos são multadas na China

Partido comunista aperta restrições às publicações religiosas com fiscalizações frequentes a gráficas, livrarias e igrejas

Fonte: Guiame / com informações Bitter Winter / Foto: Reprodução/Bitter Winter | 17/09/2019 - 14:30
Gráficas que imprimem materiais religiosos são multadas na China

Um pregador de igrejas domésticas da província de Fujian, sudeste da China, encontrou-se em uma situação difícil recentemente, quando foi a uma gráfica para encomendar 170 álbuns comemorativos para um aniversário de sua igreja.

Planejada como um presente para os irmãos na comunidade da igreja, a publicação não se destinava a ampla distribuição. O responsável da loja disse que ele não podia processar seu pedido porque o conteúdo religioso do álbum era muito óbvio. Para imprimi-lo, ele teve que mudar sua capa com tema religioso e remover todas as imagens da cruz e referências à Bíblia no texto do álbum.

O funcionário da loja disse ao pregador que fosse ao Departamento de Cultura local para solicitar uma permissão para imprimir seu álbum. Mas ele sabia que, de acordo com as políticas religiosas atuais, obter tal aprovação era meramente uma ilusão.

Ele também mencionou que funcionários do governo vêm realizando inspeções frequentes em empresas de impressão, editoras, jornais e revistas para avisá-los a não imprimir nenhum material relacionado à religião; se alguém fizer o pedido, deve ser relatado imediatamente ao Departamento de Assuntos Religiosos local.

Depois que o pregador teve seu pedido recusado por várias gráficas, ele não teve escolha a não ser remover todo o conteúdo religioso do álbum comemorativo para conseguir imprimi-lo.

O controle de materiais impressos se intensificou significativamente desde o início do ano, quando províncias de toda a China começaram a implementar a campanha do Partido Comunista Chinês (PCC) para "erradicar pornografia e publicações ilegais".

O objetivo é suprimir todas as "publicações e informações que enfraquecem, distorcem ou negam a liderança do partido ou sistema socialista da China.”

Controle

As medidas são implementadas através do controle de serviços de impressão e cópia, plataformas de vendas on-line, mercados atacadistas de publicações, serviços postais e de logística e similares.

Os documentos, que foram revelados por Bitter Winter, confirmam que as autoridades estão usando o pretexto de "erradicar pornografia e publicações ilegais" para censurar informações, incluindo materiais relacionados à religião.

“Quando as políticas exigem medidas estritas sobre a religião, todos os aspectos são rigorosamente controlados. Isso está ocorrendo em todo o país. O mesmo vale para o budismo e o taoísmo”, comentou o pregador sobre a campanha de censura do PCC.

“De fato, sempre foi assim. Mesmo que planejemos fazer algo pequeno e simples, o governo primeiro perguntará qual é o plano e depois tentará descobrir se alguém 'nos bastidores' o está financiando. Eles também vão querer saber se mais de 100 pessoas participam, suspeitando que tenham outros objetivos. O governo pensará em muitos obstáculos porque tem medo da nossa fé”, explicou o pastor.

O controle está relacionado à vendas de Bíblias e outros textos religiosos que são rigorosamente controlados pelo regime comunista.

Em dezembro passado, o responsável por uma igreja doméstica na província de Jiangxi, no sudeste do país, encomendou 20 Bíblias por correio de um local de culto em outra província. Logo depois, as autoridades localizaram o crente que havia enviado as Bíblias e confiscado todas elas.

"Recebemos notícias de que o governo está revisando a Bíblia, por isso tentamos fazer todo o possível para coletar e armazenar a versão original", disse o responsável pela igreja. Ele teme que os crentes sejam desviados após o PCC alterar a Bíblia.

Uma autodidata da província central de Hunan que desejava permanecer anônima disse a Bitter Winter que ela foi interrogada por funcionários do governo em dezembro passado, depois de entrar duas vezes na Internet para comprar livros religiosos para sua igreja.

“As autoridades disseram que a quantidade que eu comprei era muito grande e me perguntaram se eu estava em contato com países estrangeiros. Eles também disseram que eu me tornaria um alvo principal da vigilância”, disse a crente, ainda sem entender por que ela foi investigada apenas por comprar alguns livros religiosos comuns.

Livros religiosos desaparecem de lugares públicos

Em 9 de julho, uma das igrejas evangélicas Three-self na cidade de Nanping, província de Fujian, recebeu um aviso prévio de penalidade administrativa, penalizando sua biblioteca por violar o Regulamento sobre a Administração de Publicações, porque a igreja não tinha uma “licença comercial de publicação”.

Quinze publicações foram confiscadas e uma multa de 10.000 RMB (cerca de US$ 1.400) foi aplicada. A penalidade foi aplicada porque a igreja comprou Bíblias de uma loja online em fevereiro.

Um funcionário do Bureau de Cultura e Radiodifusão local disse ao Bitter Winter que os livros religiosos são controlados com muito rigor agora, e cada departamento governamental realiza inspeções frequentes em locais públicos, incluindo livrarias e hotéis. "Assim que as publicações ilegais de natureza política forem descobertas, a punição será imposta", disse ele.

Um pastor de igreja Three-self, no condado de Youxi, revelou que, desde agosto do ano passado, funcionários do Departamento de Trabalho da Frente Unida da cidade e do condado, Departamento de Assuntos Religiosos e Conferência Consultiva Política do Povo Chinês estiveram para inspecionar sua igreja sete ou oito vezes.