Anterior

ANTERIOR

Projeto Nordeste para Cristo 2019 reúne cidades e povoados nos nove estados

20/09/2019

Universo Cristão

`Não queremos culto cristão´, dizem nacionalistas hindus a pastores na Índia

Nacionalismo e radicalismo hindu desafiam cristãos indianos a perseverarem na fé

Fonte: Guia-me / com informações do Evangelical Focus - Foto: Reprodução/Morning Star News | 23/08/2019 - 16:50
`Não queremos culto cristão´, dizem nacionalistas hindus a pastores na Índia

Os nacionalistas hindus que gritavam com líderes cristãos convocados para uma delegacia no sul da Índia perguntavam o que lhes dava o direito de liderar congregações cristãs em um país hindu.

"Quem lhe deu permissão para vocês administrarem uma igreja em um país hindu?", gritaram, acusando falsamente os três líderes da igreja em Muthapudupet, na região metropolitana de Chennai, Tamil Nadu, de usar fundos estrangeiros para converter hindus.

A informação foi transmitida pelo filho de um dos pastores, que também estava prestando depoimento.

Os oficiais de polícia garantiram aos líderes da igreja que estavam cientes da oposição extremista hindu ao cristianismo, mas não deram nenhuma indicação de investigação para colocar fim aos constantes assédios.

Na frente da delegacia, cerca de 200 nacionalistas hindus aguardavam o pastor Sekar, da Igreja Pentecostal Ekklesia, o pastor Paul Kumaran, da igreja Yengaraja Yesuraja e o missionário Pandari Bai, da Grace Home Church, que foram convocados para prestar depoimentos no dia 5 de julho.

"Eles gritaram conosco e estavam ameaçando de demolir edifícios cristãos", disse o filho do pastor Sekar, Livingston Sekar, ao Morning Star News.

"Eles estavam gritando agressivamente, e meu pai alertou que não deveríamos brigar", contou.

Líderes do partido nacionalista hindu Hindu Makkal Katchi (Partido do Povo Hindu) advertiram que não deveria haver culto cristão na área, disse Sekar.

"Ore apenas com sua família, seu próprio irmão e irmã dentro de quatro paredes de sua casa - se alguém de fora se juntar a você, atacaremos e demoliremos seu prédio", disseram eles, de acordo com o filho do pastor.

Embora os líderes cristãos tivessem sido convocados com base em uma denúncia de adoração em voz alta, os nacionalistas hindus não mencionaram isso, observou ele.

Os cristãos disseram à polícia que uma queixa semelhante havia sido registrada há três anos e que a resolveram interrompendo o uso de alto-falantes, disse ele.

"Mostramos os julgamentos anteriores do tribunal superior e dissemos à polícia que não violamos a lei", disse Sekar.

“Dissemos que a constituição indiana nos deu o direito de praticar nossa fé; não fizemos nada errado”, contou o pastor.

Ele disse ainda que os radicais ficaram irritados com os pastores e gritaram para eles: “Vocês estão vivendo em uma nação hindu. A Índia é um país hindu. Vocês devem obedecer ao que os hindus dizem. O que nós hindus dizemos é a constituição indiana. Não fale sobre a constituição indiana."

Direitos constitucionais

O inspetor de polícia B. Raja informou à multidão que a constituição concede às pessoas de várias religiões o direito de adorar, e que "devemos respeitar os sentimentos religiosos dos colegas indianos", disse Sekar.

Os cristãos convocados descobriram na delegacia que uma importante líder nacionalista hindu familiarizada com as famílias da região os estava questionando sobre as atividades dos cristãos, disse Sekar.

"Ela os instigou contra o cristianismo e depois os exortou a registrar uma queixa policial em 3 de julho", disse ele ao Morning Star News.

Oficiais superiores da polícia reunidos com líderes da igreja em 6 de julho asseguraram que estavam cientes da oposição extremista hindu ao cristianismo, mas não deram nenhuma indicação de investigação e por um fim a ele.

"Quando entenderem e respeitarem a constituição, devem tomar uma iniciativa para convidar a parte contrária, manter uma discussão, fazê-la entender e pôr um fim ao problema", disse Sekar. “Mas isso pode colocar sua posição em risco. As negociações de paz com o hindu Makkal Katchi são um sonho distante”, contou.

Os líderes cristãos foram convocados para a delegacia novamente em 12 de julho, mas desta vez foram acompanhados por cerca de 300 cristãos locais.

Os policiais os impediram de entrar na estação. O inspetor Raja, cuja intervenção havia reprimido a multidão nacionalista hindu antes, havia sido transferido para outra estação, eles descobriram.

"Uma fonte da delegacia nos disse que havia uma alta pressão política sobre a polícia", disse Sekar.

"Os policiais nos disseram que os oficiais do departamento de receita inspecionariam nossa propriedade e documentos e nos pediram para sair", afirmou.

Bandeiras de açafrão

A área de Chennai, como muitas partes do sul da Índia, tem uma grande população cristã - é de 7,6% cristã, em comparação com uma população cristã de cerca de 2,3% em todo o país - tornando-a um alvo estratégico para os nacionalistas hindus.

Grupos extremistas hindus estão criando tensão comunitária na área de Chennai, disse Nehemiah Christie, coordenador do grupo de defesa jurídica Alliance Defending Freedom-India (ADF-India).

"Bandeiras de açafrão foram postadas em todos os cantos da cidade", disse Christie. “Eles desfrutam da impunidade oferecida pelo governo do estado e pelo governo central e violam igrejas e casas cristãs. A cidade outrora pacífica e harmoniosa tornou-se altamente insegura para a minoria cristã”.

A propaganda nacionalista hindu durante a campanha que levou à reeleição do primeiro-ministro Narendra Modi alimentou a agressão contra os cristãos, de acordo com Andreas Thonhauser, diretor de relações externas da ADF-Internacional.

O sistema de castas da Índia continua sendo uma força na vida cotidiana da Índia, embora seja oficialmente abolido, observa ele.

Bai, enfermeira chefe do centro de saúde do governo que foi um dos três líderes cristãos convocados para a delegacia, disse que seus vizinhos hindus a estão assediando por razões religiosas e de castas, dizendo que ela “trouxe uma religião estrangeira para a terra tâmil. "

"Eles disseram que eu profanava minha casta tendo comunhão com os dalits [que se tornaram cristãos]", disse Bai ao Morning Star News.

"Eles disseram: 'Por causa de suas reuniões de oração cristãs, os dalits e castas inferiores que não ousariam olhar nos olhos estão entrando em nossa colônia, estacionando seus veículos e desfrutando desses serviços em sua casa'", contou a mulher.

Ela disse que tentou conversar pacificamente com eles, dando garantias de que não haveria distúrbios de ruído, e até começou a construir uma pequena sala com janelas e paredes de vidro à prova de som para suas reuniões de culto.

"Agora que a construção começou, eles estão fazendo todos os esforços para pará-la", disse ela. "Todos os dias chamam a polícia."

A Índia está classificada em 10º lugar na lista de observação mundial da organização de apoio cristão Portas Abertas 2019 dos países onde é mais difícil ser cristão. O país era o 31º em 2013, mas sua posição piora a cada ano desde que Modi do BJP chegou ao poder em 2014.