Anterior

ANTERIOR

Entenda como e porque o crescimento do radicalismo islâmico afeta os cristãos e o Paquistão como um todo

09/07/2019

Próximo

PRÓXIMA

Igreja batiza mais de 8 mil pessoas nos últimos 17 meses e relata `avivamento´

09/07/2019

Universo Cristão

Presos participam de orações e jejuns pela paz na Nicarágua

Projeto cristão, que oferece acompanhamento espiritual para detentos, contou com 600 prisioneiros em uma vigília

Fonte: Guiame / com informações Joy News / Foto: Reprodução/TN8 TV/Joy News | 09/07/2019 - 10:00
Presos participam de orações e jejuns pela paz na Nicarágua

Cerca de 600 prisioneiros participaram de uma vigília de adoração e oração na prisão "La Modelo", na Nicarágua. Muitos se voltaram para o cristianismo graças ao trabalho de um ministério evangélico.

Por sete anos, o Ministério Rios de Água Viva tem estado ao lado das autoridades do Sistema Penitenciário "La Modelo" da cidade de Tipitapa.

O projeto cristão oferece acompanhamento espiritual para os presos, através de oração, jejum e estudos bíblicos.

“Nós e os detentos trabalhamos na transformação espiritual das atitudes para que, uma vez que saiam da prisão, possam iniciar uma nova vida como cidadãos”, disse José Antonio Chacón, diretor do centro penitenciário.

O diretor relatou que “incluímos em nosso sistema de aprendizado educacional e oferecemos cuidado espiritual para ajudá-los a se tornarem novos homens”, disse em entrevista.

Nas reuniões de oração, os detentos cantam canções de adoração e oram em voz alta pela paz na Nicarágua, um país que está passando por uma grave crise sociopolítica.

A jornada espiritual mudou radicalmente a vida de muitos dos presos em "La Modelo".

Blanca Nuvia Briones Ruiz, uma pastora experiente, disse que os sete anos de pregação das Escrituras neste centro tiveram resultados visíveis. “O Senhor Jesus ordena aos cristãos que pregam a todas as pessoas e visamos uma mudança nas atitudes e no pensamento dos presos”, afirma.

A organização cristã vê o ano de 2019 como um "ano de recompensa" no qual, depois de “muitas dificuldades” na sociedade nicaraguense, “as pessoas começam a procurar por Deus para viver em paz” e “o amor é promovido nas famílias”.