Anterior

ANTERIOR

Menino sobrevive a afogamento na praia enquanto família louva a Deus

15/07/2019

Universo Cristão

Triplo ataque suicida na Nigéria faz 30 mortos

Ataques foram realizados por duas meninas e um menino, revelando a marca da ação do Boko Haram no país

Fonte: Portas Abertas | 05/07/2019 - 16:45
Triplo ataque suicida na Nigéria faz 30 mortos

De acordo com reportagem da CNN, trinta pessoas morreram em um triplo ataque suicida no estado de Borno, no nordeste da Nigéria, em 16 de junho. Duas meninas e um menino foram os “homens-bomba” que realizaram as explosões. Apesar de ninguém ter assumido a responsabilidade dos ataques, eles traziam a marca registrada do Boko Haram. O grupo extremista islâmico já realizou ataques semelhantes contra civis e forças de segurança no estado de Borno.

Um analista da perseguição da Portas Abertas comenta que o Boko Haram tipicamente faz ataques suicidas contra civis, como em lugares religiosos, escolas, feiras e terminais de ônibus e geralmente usam moças e meninas como “homens-bomba”. A insurgência do Boko Haram já tirou a vida de milhares de pessoas e já causou a fuga de cerca de dois milhões de pessoas, que abandonaram suas casas, tendo que viver como deslocados internos, abrigados em alojamentos provisórios.

“A violência já se alastrou para países vizinhos como Níger, Chade e Camarões, instigando a formação de uma coalizão para combater os insurgentes. Cristãos do estado de Borno se sentem ainda mais inseguros, pois também são ameaçados pela violência dos pastores de cabra da etnia fulani; eles são muçulmanos que avançam na região do Cinturão Médio da Nigéria para pastorear seu rebanho”, explica o analista.

Ajude a cuidar das viúvas da Nigéria

Entre os cristãos afetados pelos ataques, tanto do Boko Haram quanto dos militantes fulanis, estão viúvas da Nigéria. Elas perderam seus maridos em ataques e, junto com eles, muitas vezes, sua casa e meio de subsistência. Sua ajuda pode mostrar o cuidado de Deus com elas, suprindo suas necessidades básicas. Ao doar, você dá a elas a possibilidade de receber alimentos por cerca de dois meses.