Anterior

ANTERIOR

Em dez anos, número de cristãos aumenta de 10 mil para 500 mil na Argélia

19/07/2019

Universo Cristão

Restrições impostas aos cristãos norte-coreanos

Conheça um pouco mais como vivem nossos irmãos e irmãs que vivem no pior país para professar a fé cristã

Fonte: Portas Abertas | 18/06/2019 - 17:00
Restrições impostas aos cristãos norte-coreanos

A perseguição na Coreia do Norte permanece violenta. Ocorreram ataques contra cristãos e mortes, mas por motivos de segurança, nenhum detalhe pode ser publicado e é difícil obter relatos dos campos de trabalho forçado. O pastor Dong-cheol Kim, bem como dois cristãos coreanos-americanos palestrantes da Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang (PUST, da sigla em inglês), Tony Kim e Hak-song Kim, foram presos, acusados de se oporem ao regime, mas, como um gesto de boa vontade, foram soltos antes da cúpula em Cingapura, que ocorreu em junho de 2018.

Quando os cristãos são descobertos, eles perdem tudo. Não são apenas interrogados com objetivo de descobrirem todos os seus contatos, mas suas famílias também são presas por conta do princípio da culpa por associação. Isso faz com que todos enfrentem anos de miséria presos em campos de trabalho forçado.

As famílias são deliberadamente destruídas caso a fé de alguém seja descoberta. Se marido e mulher são cristãos, podem ser mandados para campos de trabalho forçado diferentes. Mas de qualquer forma, homens e mulheres frequentemente são separados, apesar de alguns campos possuírem dormitórios familiares. Qualquer um descoberto envolvido em atividades religiosas clandestinas está sujeito a discriminação, prisão, detenção arbitrária, desaparecimento, tortura ou execução pública.

Por causa dos grandes riscos, é impossível para pais cristãos ensinarem seus filhos segundo a sua fé. Isso ocorre não apenas pelo perigo, mas também porque teriam que ensinar contra o que é aprendido nas sessões semanais de doutrinação, que começam desde os berçários. Celebrar casamentos e funerais cristãos ou santa ceia abertamente é algo totalmente fora de questão, bem como, qualquer batismo público.