Anterior

ANTERIOR

Terroristas islâmicos dão três opções para os cristãos: `fugir, voltar ao Islã ou morrer´

17/09/2019

Universo Cristão

Menina cristã é estuprada e forçada a casamento islâmico no Paquistão

No começo de maio, Neha Pervaiz, de 15 anos, conseguiu fugir da casa onde foi forçada a viver com seu `marido´ muçulmano

Fonte: Guiame / com informações Christian Post / Foto: Pakistan Megachurch | 17/05/2019 - 16:25
Menina cristã é estuprada e forçada a casamento islâmico no Paquistão

Uma adolescente cristã no Paquistão alega ter sido espancada, estuprara, forçada a se converter ao islamismo e a se casar com um muçulmano de 45 anos, enquanto mulheres de minorias religiosas no país de maioria muçulmana continuam a enfrentar extrema perseguição por causa de seu gênero e fé.

Neha Pervaiz, uma jovem de 15 anos que mora no bairro Ittehad Town, em Karachi, disse recentemente ao ucanews.com sobre como foi forçada a um casamento islâmico no mês passado, quando foi à casa de sua tia para ajudar a cuidar de um parente doente.

"Fui levada por minha tia, uma muçulmana convertida, para sua casa em 28 de abril para ajudá-la a cuidar de seu filho doente", disse Pervaiz à ucanews.com. "Mas lá me pediram para casar com um muçulmano chamado Imran. Quando recusei, eles me espancaram e ameaçaram matar meu irmão menor, que estava comigo".

Pervaiz alegou que ela foi levada para uma sala, onde foi estuprada por Imran, que estava divorciado.

"Eles então me pressionaram a me converter ao Islã e me casar com Imran", acrescentou ela.

No dia seguinte, Pervaiz disse que ela foi levada perante um clérigo islâmico, onde foi forçada a recitar o Alcorão e recebeu um novo nome: Fátima. Então, em 30 de abril, Pervaiz disse que foi levada a um tribunal, onde ela se tornou legalmente casada com Imran.

Mas no dia 5 de maio, Pervaiz conseguiu fugir de casa com a ajuda da filha de Imran. Durante todo o tempo em que ela esteve longe de seus pais, a mãe de Pervaiz disse que não sabia o que estava acontecendo com a filha.

"Fiquei chocada ao saber o que havia acontecido com minha filha, pois estava com a impressão de que ela estava na casa de sua tia para ajudá-la", disse Jamila Masih ao site.

Contexto

O que aconteceu com Pervaiz não é incomum na nação do sul da Ásia, onde incontáveis garotas de minorias religiosas são sequestradas, estupradas e forçadas a se converter ao Islã e a casarem-se com homens mais velhos.

Em 2014, a ONG Movimento de Solidariedade e Paz estimou que entre 100 e 700 meninas cristãs são sequestradas, violentadas e forçadas a casamentos islâmicos no Paquistão todos os anos.

O Paquistão, país de maioria muçulmana (96% da população), é o quinto pior país do mundo com relação à perseguição religiosa, de acordo com a Portas Abertas (USA). Ele também foi nomeado no ano passado pelo Departamento de Estado dos EUA como um "país de preocupação especial", devido às suas violações à liberdade religiosa.

"A conversão forçada de mulheres jovens hindus e cristãs ao islamismo e ao casamento, muitas vezes por meio de trabalho forçado, continua sendo um problema sistêmico", alertou a Comissão sobre Liberdade Religiosa Internacional dos EUA em seu relatório anual de 2019. "Várias instituições independentes, incluindo a Comissão Nacional de Justiça e Paz e a Comissão de Direitos Humanos do Paquistão, reconhecem que cerca de 1.000 jovens são forçadas a se converter ao islamismo a cada ano".

A USCIRF observou que as mulheres hindus e cristãs são particularmente vulneráveis por causa da “marginalização da sociedade e da falta de proteção legal para as minorias religiosas, combinadas com normas societais e culturais profundamente patriarcais".

A USCIRF, uma comissão de vigilância bipartidária e com mandato parlamentar, também criticou o governo do Paquistão por não julgar adequadamente os autores de crimes contra minorias religiosas.

No caso de Pervaiz, a polícia relutou em registrar a queixa da família, mas o caso foi apresentado no dia 13 de maio, com a ajuda de um pastor local.

O pastor Ghazala Shafiq, da Igreja do Paquistão, disse ao ucanews.com que o casamento era ilegal pelo fato de Pervaiz ter apenas 15 anos.

"Meninas com menos de 18 anos de idade são consideradas menores e os que fazem isso são puníveis de acordo com o Código Penal do Paquistão. Vamos lutar por ela no tribunal", disse o pastor.

No mês passado, o Supremo Tribunal de Lahore ordenou o retorno de uma adolescente cristã que foi sequestrada e forçada a um casamento islâmico em março.

"Fui estuprada e maltratada pelo meu captor, mas ele não matou meu espírito", disse Shalet Masih à Associação Cristã Paquistanesa Britânica. "Eu falei no tribunal e testemunharei de novo e de novo, até que esse monstro seja preso. Ele não deveria poder fazer isso com mais ninguém, nunca mais".

No início deste mês, um relatório da Associated Press revelou que centenas de garotas cristãs no Paquistão foram traficadas para a China por meio de uma operação na qual pastores paquistaneses são pagos para encontrar noivas para homens chineses entre as comunidades empobrecidas que eles pastoreiam.

Os pais das meninas vítimas de tráfico sexual supostamente recebem entre US$ 3.500 e U $ 5.000 e são informados de que suas filhas "se casarão com ricos cristãos convertidos".