Anterior

ANTERIOR

Malásia estabelecerá força-tarefa para investigar caso do pastor Koh

23/05/2019

Universo Cristão

Confira o que mudou desde a 1ª Edição da Lista Mundial da Perseguição

Onze países saíram do ranking e 5 deixaram o Top 10 depois de 26 anos de seu lançamento

Fonte: Portas Abertas | 13/03/2019 - 14:00
Confira o que mudou desde a 1ª Edição da Lista Mundial da Perseguição

A primeira Lista Mundial da Perseguição foi divulgada pela Portas Abertas no ano de 1993. Ela apresentava os cinquenta países onde é mais difícil ser cristão. Dos países que integram o ranking atual, apenas 11 são diferentes. Entre os que saíram da lista inicial estão: Comores (5º), Bahrein (12º), Peru (25º), Cuba (26º), Angola (27º), Moçambique (33º), Tanzânia (35º), Djibuti (41º), Israel (43º), Níger (46º) e Líbano (49º). Destes, 6 são africanos, 2 asiáticos, 2 latino-americanos e 1 do Oriente Médio.

Dos que pertencem à atual e não estavam na primeira, encontram-se: República Centro-Africana (21º), Turcomenistão (23º), Mali (24º), Indonésia (30º), Cazaquistão (34º), Catar (38º), Quênia (40º), Rússia (41º), Kuwait (43º), Emirados Árabes Unidos (45º) e Territórios Palestinos (49º). Destes, 3 são africanos, 4 asiáticos e 4 do Oriente Médio.

Entre os países que permaneceram na lista depois de 26 anos, o único que continua na mesma posição é o Afeganistão, em 2º lugar. O que mais subiu foi a Eritreia, que passou da 50ª colocação para 7ª, com um aumento de 43 posições. Já o país que mais caiu foi Omã, passando de 14º para 44º, uma diferença de 30 lugares.

Outros países que se destacaram subindo posições são: Síria, que passou de 43º para 11º; Índia, de 33º para 10º; Uzbequistão, de 38º para 17º; e Mianmar, de 39º para 18º. Dos países que caíram na colocação estão: Marrocos, de 9º para 35º; China, de 4º para 27º; Butão, de 16º para 33º; e Tunísia, de 20º para 37º.

Quanto ao Top 10 referente à Lista Mundial da Perseguição de 1993, apenas um país deixou o ranking, Comores. O primeiro colocado era a Arábia Saudita – que hoje está em 15º, e ainda contava com Afeganistão, Sudão, China, Coreia do Norte, Irã, Egito, Marrocos e Iêmen. Destes, cinco continuam entre os dez piores lugares onde seguir a Cristo pode custar a vida. Um ponto a ser observado é que em 1993, a Coreia do Norte ainda não ocupava o 1º lugar da lista – posição que só alcançaria em 2002 – mas sim a 6ª colocação.