Anterior

ANTERIOR

Premiê de Israel quer discutir mudança da embaixada brasileira na posse de Bolsonaro

18/12/2018

Universo Cristão

Em meio à perseguição, cristãos de Angola dançam e louvam: `Por Jesus morreremos´

Cristãos saíram às ruas de Luanda para declarar que Jesus é o senhor da nação

Fonte: Guia-me | 03/12/2018 - 14:00
Em meio à perseguição, cristãos de Angola dançam e louvam: `Por Jesus morreremos´

No último sábado (1), cristãos de Luanda, na Angola, saíram às ruas para mostrar que não se sentem intimidados com a perseguição religiosa, que está sendo imposta pelo próprio governo do país.

Em um vídeo ao qual o Portal Guiame publicou, é possível ver cristãos dançando e louvando em uma praça de Luanda, enquanto o pastor Handerson fala sobre a manifestação.

"Não estamos aqui por causa de emprego, não estamos aqui por causa de melhores condições de vida, mas estamos aqui por causa da nossa fé. Isto é lindo demais! Vale a pena servir ao Senhor Jesus!", disse o pastor.

"Oh aleluia! Por ele morreremos! Pagaremos o preço! Cristo é o Senhor desta nação! As trevas não têm poder, nem autoridade sobre esta nação. Olhe o povo de Deus adorando. Oh, aleluia. Glória a Deus! Vamos adorar a Ele, vamos declarar que Cristo é o senhor da nossa nação", acrescentou.

Contextualização

Desde o início de outubro, com um novo decreto de lei, Angola tem vivido dias de tensão com relação à liberdade religiosa, enquanto cada vez mais igrejas são fechadas.

O novo decreto considera que as denominações cujos "processos tenham resultado de desmembramento, cisão e que exerçam atividade religiosa que vão contra a lei e os bons costumes" passam a ser caracterizadas como "irregulares" e precisam ser fechadas se não forem regularizadas.

Porém, os requisitos exigidos pelo governo para que as igrejas se regularizem chegam a ser abusivos para qualquer comunidade, como um que diz que a denominação religiosa “deve ser subscrita por um mínimo de 100 mil fiéis, devendo as assinaturas serem reconhecidas no notário e recolhidas num mínimo de 2 terços do total das províncias”.