Anterior

ANTERIOR

Ditador da Coreia do Norte é bisneto de missionários, relatam historiadores

11/10/2018

Próximo

PRÓXIMA

Data da ameaça para execução de Leah Sharibu se aproxima

11/10/2018

Universo Cristão

Pastor é impedido pelo governo de Cuba de fazer cruzada evangelística

Pastor argentino Dante Gebel foi impedido de realizar uma cruzada evangelística em Cuba

Fonte: Guia-me / com informações da CBN News - Foto: Facebook/Dante Gebel | 11/10/2018 - 16:30
Pastor é impedido pelo governo de Cuba de fazer cruzada evangelística

O pastor e evangelista argentino Dante Gebel foi impedido pelo governo socialista de Cuba de realizar uma cruzada evangelística no país. O encontro seria realizado em Havana, entre 24 e 25 de outubro.

Gebel contou em sua página no Facebook, onde tem mais de 3 milhões de seguidores, que já possuía os vistos e autorizações aprovadas para realizar a atividade. No entanto, dias depois seu visto foi negado pelo chefe de Assuntos Religiosos do Ministério do Interior de Cuba.

“Ele revogou meu visto alegando que ‘o Sr. Dante Gebel lida com a mídia, convoca multidões e pode influenciar a opinião pública’”, o pastor relatou.

“Nós perguntamos várias vezes porque eles deixam muitos outros entrarem, e eles continuaram mantendo a opinião de que ‘pesquisamos sobre Gebel e ele mobiliza muitas pessoas’. É uma pena que eles não saibam que essa mobilização só corresponde a ter um encontro com Cristo, e que não tem qualquer teor político ou que vá necessariamente contra o regime”, acrescentou.

O pregador argentino lamentou o que aconteceu e pediu desculpas ao povo cubano.

“Nós ainda temos o gosto amargo de ver que o regime continua impedindo a liberdade de religião e liberdade de expressão, mas vamos continuar orando para que mais cedo ou mais tarde as portas sejam abertas para levar massivamente a mensagem de Jesus Cristo para os cubanos, que eu tinha tanta vontade de ver pessoalmente”, disse Gebel.

Em sua mensagem no Facebook, o pastor argentino esclareceu que a cruzada evangelística foi financiada por seu ministério, Línea Abierta Group, e já tinha comprado as passagens de avião e ônibus para o transporte de pessoas de diferentes partes da ilha para Havana.