Anterior

ANTERIOR

Ore pelas eleições gerais no Butão nesta quinta (18)

18/10/2018

Universo Cristão

Cruzes estão sendo removidas para não ofender ateus na Escócia

Serviços funerários no país alegam preocupação sobre a `falta de espaço inclusivo´ para não cristãos

Fonte: Folha Gospel / com informações do The Christian Post | 07/08/2018 - 10:50
Cruzes estão sendo removidas para não ofender ateus na Escócia

Um relatório do governo escocês revelou que as cruzes cristãs estão sendo removidas dentro das capelas durante os serviços funerários, de modo a não ser ofensivo para ateus e não-cristãos.

O Inspetor Escocês de Crematórios revelou no relatório de 20 de julho sobre práticas e questões relacionadas aos serviços funerários no país, que há preocupações sobre a “falta de espaço inclusivo” para pessoas que não são da fé cristã.

“Houve também preocupações levantadas sobre a presença de símbolos religiosos cristãos, particularmente a ‘cruz’ em capelas e jardins de recordação. Houve várias ocasiões em que, a pedido dos requerentes, foram tomadas medidas para remover ou esconder a cruz (na capela) enquanto durar o serviço”, explicou o relatório.

Acrescentou que houve discussão com a Humanist Society Scotland (Sociedade Humanista da Escócia) para abordar estas preocupações. O grupo ateísta argumentou que seus 15.000 membros, juntamente com outros não-cristãos no país, sentem que suas crenças estão sendo deixadas “abertas à discriminação” devido à presença de símbolos religiosos em capelas quando os membros da família não querem ver.

Gordon MacRae, diretor executivo da Humanist Society Scotland, disse ao jornal The Herald que os pedidos de símbolos religiosos a serem removidos “simbolizam as mudanças que estão acontecendo na Escócia. A Escócia é agora um país não religioso majoritário”.

“A questão dos crematórios é particularmente dolorosa para muitas pessoas. Se você teve uma experiência negativa de religião, é muito difícil alguém marcar a morte de um ente querido de uma maneira que parece desonesta ou que traz de volta memórias ruins”, MacRae acrescentou.

“É uma coisa difícil para as pessoas lidarem. O que queremos deixar é uma configuração padrão que apenas assume que todos são cristãos”.

A Igreja da Escócia disse em uma declaração no The Times, na semana passada, que os serviços funerários “devem ser acolhidos por pessoas de todas as religiões e até de nenhuma”.

“As famílias devem ser encorajadas a expressar seus desejos e suas preferências, devem ser acomodadas sempre que possível”, afirmou a igreja.

“Em tempos de tristeza e perda, muitas pessoas querem e precisam da presença consoladora de símbolos de sua fé e palavras que expressem suas crenças. A importância delas não deve ser subestimada.”

Em sua resposta ao relatório, o Christian Institute, um grupo do Reino Unido que fala contra a marginalização dos cristãos na sociedade, alertou contra a “secularização rastejante”.

“Não deveria ser surpresa para ninguém que em um país com nossa herança cristã, a cruz de Cristo seja visível em lugares públicos, especialmente em algum lugar como um crematório”, disse Ciarán Kelly, vice-diretor do Instituto Cristão.

“Parece que já foram tomadas medidas para acomodar razoavelmente essas poucas pessoas com preocupações. Devemos ter cuidado com a secularização rasteira sob o disfarce de ‘igualdade'”, disse Kelly.

Estatísticas oficiais do governo escocês mostram que a religião tem caído drasticamente no país, com quase metade (48,7%) da população declarando-se não-religiosa em uma pesquisa de 2016.

Um quarto da população disse que eles fazem parte da Igreja da Escócia, enquanto os católicos romanos representavam 13,8 por cento. Cristãos de outras denominações representavam 8% do total.