Anterior

ANTERIOR

Em ônibus aberto, grupo cristão faz louvor nas ruas do centro de Londres

03/08/2020

Universo Cristão

CGADB adere à campanha de oração pela Segurança Pública

Campanha proposta pelo Ministério da Segurança Pública acontece entre os dias 3 e 10 de junho em várias igrejas e grupos religiosos pelo Brasil

Fonte: Conselho de Capelania da CGADB | 01/06/2018 - 17:00
CGADB adere à campanha de oração pela Segurança Pública

Pela segunda vez em menos de 30 dias, o Ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, se reuniu com as lideranças religiosas do país, para propor o lançamento de uma Campanha de Oração em favor da segurança no país. O pastor José Wellington Costa Junior, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) foi representado no encontro pelo capelão e pastor Agostinho Gomes da Silva Filho, presidente do Conselho de Capelania da CGADB. As reuniões aconteceram nos dias 30 de abril e 22 de maio.

O pastor e capelão Agostinho Gomes esteve em Brasília acompanhado de sua esposa, Silvia Regina Gomes, assistente social e presidente do Concafe (Comitê Nacional de Capelania Feminina). Agostinho manifestou todo o apoio da CGADB à Campanha de Oração. “Daremos apoio irrestrito à Campanha como primeiro passo para a estruturação e concretização das ações ora propostas”.

Durante a reunião, o pastor Agostinho fez sugestões ao governo.  “É necessário promover a normatização das ações da Capelania nos presídios, agentes de autoridades de segurança e junto à comunidade para que todo o nosso empenho e trabalho não se perca”, disse Agostinho.

 Ao término da reunião, as partes concordaram com a realização da Campanha que ocorrerá em várias igrejas e grupos religiosos pelo Brasil, entre os dias 3 a 10 de junho. Dentro da proposta do ministro, a Campanha contempla três eixos: oração, visitas e ações sociais:

1.    O primeiro eixo, oração, elenca os seguintes motivos: Por uma cultura de paz, de amor ao próximo e de valorização da vida; pelo fortalecimento e proteção das famílias; pelo consolo às vítimas da violência; pela transformação da mentalidade que leva ao crime; pelo fortalecimento dos valores e princípios de honestidade e solidariedade; pelos policiais, agentes e autoridades de segurança; pelos voluntários e capelanias; pela preservação e desenvolvimento da juventude; pela vitória no combate às drogas.

2.    O segundo se constitui na realização de visitas pela Segurança Comunitária de modo a incentivar os líderes de igrejas e comunidades religiosas a visitarem quartéis de polícias e de bombeiros militares e delegacias de seus bairros, e convidarem seus agentes a visitar e proferir palestras sobre segurança em igrejas, templos e espaços de culto.

3.    Divulgar e apoiar as ações sociais das igrejas e comunidades religiosas nas áreas de ressocialização dos egressos do sistema prisional, educação e trabalho de jovens e presos e apoio às famílias em comunidades frágeis do ponto de vista socioeconômico, com ênfase nos municípios com maior incidência da violência.