Anterior

ANTERIOR

Eleições no Paquistão são motivo de oração

23/07/2018

Universo Cristão

Viúvas de Orissa serão indenizadas pelo governo da Índia

Sobreviventes dos ataques de 2008 terão seus direitos respeitados, uma vitória para a igreja indiana

Fonte: Portas Abertas | 10/05/2018 - 17:00
Viúvas de Orissa serão indenizadas pelo governo da Índia

A Alta Corte do estado de Orissa, na região leste da Índia, assegurou a indenização extra aos dependentes de 14 cristãos mortos na onda de violência anticristã generalizada que atingiu o distrito de Kandhamal em 2008. Além disso, o tribunal obrigou o governo de Orissa a disponibilizar mais de 153 milhões de rúpias (equivalente a mais de 8 milhões de reais) para pagar a indenização para as cerca de 6 mil pessoas que perderam membros da família, foram feridas ou perderam suas casas nos ataques.

A advogada de defesa dos parentes das vítimas mortas na violência de Kandhamal, Tehmina Arora, contou à Portas Abertas esta semana que a “compensação aumentada” havia sido ordenada pela Suprema Corte do país em 2016, mas não havia sido distribuída aos familiares das vítimas. Por isso, apelaram à Alta Corte estadual.

De acordo com relatos de pessoas de várias denominações, cerca de 100 cristãos foram mortos, enquanto o total de mortos segundo os números oficiais do governo seja de 39. Assumindo a morte de um líder hindu como uma conspiração dos cristãos, fundamentalistas hindus atacaram a comunidade cristã, destruindo suas propriedades e obrigando-os a negar a fé. Os ataques duraram semanas, em que 6 mil casas e 300 igrejas foram queimadas, deixando mais de 56 mil cristãos desabrigados.

Em novembro de 2017, a ONG cristã americana Alliance Defending Freedom (ADF) fez um apelo citando o caso de 14 viúvas (que eram dependentes dos 39 cristãos mortos oficialmente). A nova decisão da Alta Corte de Orissa garante que as 14 viúvas vão receber a indenização extra que havia sido ordenada às 39 famílias, assim como a indenização menor garantida aos feridos e aos que tiveram suas casas destruídas. “Esta é uma grande vitória para nós”, disse Tehmina.