Anterior

ANTERIOR

90% dos judeus europeus dizem que o antissemitismo está piorando, afirma relatório da UE

11/12/2018

Universo Cristão

Milhares de igrejas fechadas e seis pastores presos em Ruanda

Segundo o governo, o motivo dos fechamentos é poluição sonora e descumprimento de regulamentos

Fonte: Portas Abertas | 10/04/2018 - 08:45
Milhares de igrejas fechadas e seis pastores presos em Ruanda

Milhares de igrejas foram fechadas em Ruanda desde fevereiro por suposta “poluição sonora” e não cumprimento dos regulamentos sobre construções. E agora Camarões, outro país de maioria cristã, está considerando seguir o exemplo. O pedido para fechar algumas das igrejas pentecostais de Camarões segue-se a relatório de má conduta de vários pastores.

A repressão contra igrejas em Ruanda coincide com uma revisão da lei que regula as operações de organizações religiosas. Mesquitas também foram afetadas, cerca de 100 foram fechadas. De acordo com as propostas de emendas que estão sendo discutidas em consultas em todo o país, comunidades religiosas têm que certificar-se de que seus prédios estão dentro dos padrões de infraestrutura, segurança e higiene. As exigências incluem a necessidade de permissão para funcionar e que o pastor receba treinamento teológico.

Pastores que protestaram contra o fechamento são presos

Tanto igrejas quanto mesquitas têm que atender a exigências mínimas em termos de terreno, como por exemplo, ter espaço suficiente para estacionamento. As dimensões são estabelecidas pelo governo e se aplicam também a prédios nas montanhas do interior do país. Para evitar poluição sonora, as comunidades religiosas também não podem mais funcionar em tendas ou casas.

A BBC informou em fevereiro que algumas das igrejas que haviam sido fechadas tiveram permissão para reabrir após serem aprovadas por inspetores. Mas seis pastores que protestaram contra os fechamentos foram presos por supostamente realizar “reuniões ilegais com más intenções”. “Eles são suspeitos de formar grupos ilegais e conduzir reuniões com o objetivo de sabotar ou impedir atividades do governo em curso”, disse um porta-voz da polícia.