Anterior

ANTERIOR

Em dois meses, mais de 250 foram assassinados por extremistas na Nigéria

21/09/2018

Universo Cristão

Grupo LGBT tenta fechar agências cristãs de adoção por serem contra o casamento gay

Segundo o advogado que está defendendo uma das agências cristãs, quem mais se prejudica neste processo são as crianças

Fonte: Guia-me / com informações do Christian Post | 08/03/2018 - 15:45
Grupo LGBT tenta fechar agências cristãs de adoção por serem contra o casamento gay

Crianças adotadas e famílias adotivas disseram a um tribunal de Michigan (EUA) que as agências cristãs de adoção são vitais para ajudar outras pessoas em situações críticas, enquanto uma ação judicial movida por um grupo LGBT procura fechar as agências por causa de sua posição contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

"Agências como a St. Vicent encontram casas para crianças negligenciadas e abusadas - como eu já fui um dia. Eu não teria uma família ou um futuro se não fosse para São Vicente", disse Shamber Flore, que foi adotado por uma família no passado. Ele compartilhou parte de seu testemunho em depoimento no tribunal distrital dos EUA para o Distrito Leste de Michigan, na última quarta-feira (7).

Becket, o escritório de advocacia de interesse público que está representando a agência St. Vicent, explicou em um comunicado de imprensa que Michigan tem milhares de crianças que precisam de uma casa segura e amorosa.

A União Americana de Liberdades Civis, que em setembro de 2017 apresentou uma ação judicial contra Michigan por permitir que as agências contratadas pelo Estado reduzissem os casais do mesmo sexo para adoção e argumentou que tais políticas equivalem a discriminação.

"Quando o Estado contrata agências privadas para ajudar crianças a encontrarem famílias adotivas sob sua custódia, essas agências não podem afastar as famílias com base em critérios religiosos, assim como o Estado não seria permitido fazê-lo", disse Leslie Cooper, advogada do grupo 'ACLU LGBT & HIV Project'.

"Os serviços governamentais não devem ser fornecidos com base em padrões religiosos e o dinheiro do contribuinte não deve ser usado para financiar agências que discriminam com base em religião ou orientação sexual", acrescentou.

Em 2017, St. Vincent recrutou mais famílias adotivas do que quase 90% das outras agências em sua área de serviços, observou Becket, destacando o sucesso da agência na busca de lares para crianças com necessidades especiais, crianças minoritárias e grupos grandes de irmãos.

"Não poderíamos ter adotado sem o apoio da St. Vicent", disse Melissa Buck, que adotou cinco crianças com necessidades especiais, contando com a ajuda da agência cristã.

"E continuamos a contar com serviços de suporte vitais que a St. Vincent oferece até hoje. Se esses programas fossem fechados, isso realmente prejudicaria nossa família", acrescentou.

Flore, que foi adotado em 2005, disse no passado que as crianças em programas de adoção às vezes têm histórias muito sofridas, que envolvem abusos, devido a drogas, prostituição e negligência.

"Não entendo por que a ACLU está tentando tirar a esperança de crianças que uma vez foram como eu", disse ela.

Becket também colocou que as crenças da agência St. Vicent sobre o casamento - bíblico, entre um homem e uma mulher - não impediram que ela colocasse crianças em casas. O escritório Becket também explicou que casais homossexuais que trabalham com outras agências conseguiram adotar crianças.

A lei de Michigan que permite que as agências de adoção que têm confissão religiosa operem com base em suas crenças sobre o casamento entrou em vigor em junho de 2015, quando foi assinada pelo governador republicano do estado, Rick Snyder.

"Há uma crise no sistema de acolhimento adotivo. Existem milhares de crianças e não há casas suficientes", disse Stephanie Barclay, conselheira do Becket.

"A resposta é que mais agências recrutem e apoiem as famílias dispostas a adotar, sem fechar empresas de sucesso como a St. Vicent. Quem realmente está sendo prejudicado neste processo da ACLU são crianças", acrescentou.

O grupo de liberdade religiosa disse que uma decisão sobre o caso está prevista para o final de abril.