Anterior

ANTERIOR

Em dois meses, mais de 250 foram assassinados por extremistas na Nigéria

21/09/2018

Universo Cristão

Mais de 200 milhões de pessoas não têm acesso a Bíblia em seu idioma

Pelo menos 209 milhões de pessoas que falam 3773 línguas diferentes não têm acesso às Escrituras em seu idioma

Fonte: Guia-me / com informações de Eternity News | 08/03/2018 - 15:20
Mais de 200 milhões de pessoas não têm acesso a Bíblia em seu idioma

As estatísticas de tradução da Bíblia Sagrada revelam que espalhar a Palavra de Deus pelo mundo continua sendo um desafio. Pelo menos 209 milhões de pessoas que falam 3773 línguas diferentes não têm acesso às Escrituras em seu idioma.

Dentre a população mundial de 7,6 bilhões de pessoas, 5,4 bilhões têm a Bíblia inteira traduzida em sua língua, representando 81% do mundo. Por outro lado, 631 milhões de pessoas têm apenas o Novo Testamento e mais 406 milhões possui apenas porções das Escrituras, segundo dados apresentados pelo Eternity News.

Já que as línguas vão sofrendo mudanças ao longo do tempo, as traduções revisadas são continuamente produzidas. Em 2017, foram completadas 30 novas traduções em línguas faladas por 566 milhões de pessoas.

lomué (falado em Moçambique) e turcomeno (falado em Turquemenistão e Myanmar), por exemplo, são línguas que tiveram suas primeiras traduções da Bíblia concluídas em 2017. Além disso, sete línguas faladas por mais de 13 milhões de pessoas receberam a Bíblia completa em seu próprio idioma pela primeira vez.

Dentre as 7.097 línguas existentes no mundo, 6.754 têm a tradução de Bíblias completas, 1.515 têm Novos Testamentos e 1.135 têm porções das Escrituras.

Há também um foco crescente nos grupos especiais. O idioma de sinais se tornou um grande foco para os tradutores da Bíblia, que já traduziram 26 línguas de sinais. No entanto, apenas 10% das mais de 400 línguas de sinais possuem tradução das Escrituras.

Apesar das novas tecnologias, o braille impresso continua sendo popular entre pessoas cegas. Em 2017, duas línguas receberam suas primeiras versões em braille - Luganda (falada em Uganda) e Khasi (falada na Índia).