Anterior

ANTERIOR

Presos por sua fé, cristãos testemunham avivamento na prisão: `Pessoas vieram a Cristo´

24/11/2017

Universo Cristão

Igreja cristã no Egito é reaberta após 22 anos

Diante de recente fechamento de várias igrejas, ação é vista como manobra política

Fonte: Portas Abertas | 09/11/2017 - 12:00
Igreja cristã no Egito é reaberta após 22 anos

Uma igreja cristã na cidade de Minia, no Egito, foi reaberta no dia 29 de outubro após ter ficado 22 anos sem licença de funcionamento. Nas últimas semanas várias igrejas cristãs em Minia foram fechadas pela polícia devido a perseguição e ataque de muçulmanos. As comunidades afetadas foram obrigadas a buscar lugares alternativos para cultuar, o que geralmente implica em viajar para cidades vizinhas. 

Um líder da igreja reaberta, Boulos Moussa Salib, contou à Portas Abertas que “a congregação estava muito feliz de poder voltar para sua igreja” e que são gratos ao governo por finalmente dar a eles esse direito. A cerimônia de reabertura da igreja teve a participação de representantes do parlamento e vários líderes cristãos. Nesse mesmo dia, um outro líder da igreja de Minia emitiu uma declaração criticando a recente enxurrada de fechamento de igrejas. “É como se adoração fosse um crime pelo qual os cristãos devem ser penalizados”, disse. 

Governo é dúbio em ações relativas à igreja

Apesar das tentativas de negociação, o governo alega que as igrejas são fechadas por não ter aprovação de segurança ou por ser consideradas ofensivas aos muçulmanos e, portanto, uma ameaça para a harmonia da sociedade. Numa tentativa de lidar com a questão, o governo ratificou a lei de construção de igrejas de 2016 e, no mês passado, um comitê foi montado para trabalhar na legalização das igrejas sem licença. 

Membros cristãos do parlamento, defensores dos direitos humanos e pesquisadores criticaram a lei, considerada uma tentativa de pacificar os cristãos em nome da ordem pública, mas sem trazer mudanças reais. O governador de Minia afirmou que sua administração quer colaborar com a igreja sem nenhuma discriminação religiosa. 

A reabertura da igreja foi vista por muitos como uma manobra às vésperas da visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence. Ele anunciou na semana passada que pretende visitar Israel e Egito no final de dezembro. Ele anunciou também que os Estados Unidos querem contornar uma ONU "ineficaz" e enviar ajuda diretamente aos cristãos perseguidos no Oriente Médio.