Anterior

ANTERIOR

Cristãos permanecem alertas após atentados na Nigéria

20/10/2017

Universo Cristão

Religiões de matriz africana exigem o fim das igrejas nos presídios

Grupos de matriz africana fizeram o pedido em uma audiência pública com o deputado Marcelo Freixo (Psol), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro

Fonte: Guia-me / com informações O Dia | 09/10/2017 - 13:00
Religiões de matriz africana exigem o fim das igrejas nos presídios

Grupos de matriz africana se reuniram na última quinta-feira (5) em uma audiência pública com o presidente da Comissão de Defesa de Direitos Humanos e Cidadania, deputado Marcelo Freixo (Psol), na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Durante a sessão, os grupos entregaram um documento repudiando casos de intolerância religiosa, enumerando dez reivindicações para evitar o “surgimento de novos ataques”. Uma delas é o fechamento imediato das igrejas nos presídios no Rio de Janeiro.

“Os ‘traficantes evangélicos’ — os mesmos que vem destruindo templos e aterrorizando afro-religiosos — são arregimentados no cárcere e recebem anotações por ‘bom comportamento’ por suas conversões”, argumenta a carta em um pedido feito ao Tribunal de Justiça do Estado.

Os representantes das religiões de matriz africana pedem ainda que os ministros religiosos que promovem a perseguição contra grupos como umbanda, candomblé, batuque e Tambor de Mina, sejam acionados por crime de ódio e enquadrados na Lei de Segurança Nacional.

Entre os outros pontos citados no documento estão a promoção de políticas públicas e reparação das vítimas expulsas “de seus territórios sagrados e de culto pelos traficantes evangélicos”, fazendo menção aos casos de destruição de terreiros por líderes do tráfico.

Contradição

Embora os grupos de matriz africana utilizem como argumento a defesa pela liberdade religiosa, seu pedido apenas destaca a intolerância religiosa contra o cristianismo, que tem um trabalho consolidado dentro dos presídios.

A presença de missionários evangélicos é disparadamente numerosa nas prisões cariocas, se comparada a outras religiões. Dentre as 100 instituições aprovadas pela Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (Seap) para fazer assistência espiritual nos presídios do Rio em 2015, 81 são igrejas evangélicas — 47 de denominação pentecostal, 20 de missão e 14 de outras origens.

“Esta predominância acompanha uma tendência de crescimento dos evangélicos na sociedade, apontada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na pesquisa, percebemos que tanto para os detentos quanto para os funcionários das penitenciárias, a presença religiosa tem um efeito apaziguador e calmante em um ambiente muito tenso”, destacou o pesquisador Clemir Fernandes.