Anterior

ANTERIOR

Professor é premiado após usar Bíblia para ensinar história a presos

22/09/2017

Universo Cristão

Cristãos nigerianos são perseguidos por muçulmanos fulani

Além do Boko Haram, os pastores de cabra fulani são mais uma fonte de perseguição aos cristãos

Fonte: Portas Abertas | 12/09/2017 - 17:00
Cristãos nigerianos são perseguidos por muçulmanos fulani

No norte da Nigéria, a perseguição aos cristãos não vem apenas dos militantes islâmicos do Boko Haram. Militantes fulani, pastores de cabras de origem muçulmana, também perseguem os cristãos nos estados do centro do país. Esses estados dividem o norte predominantemente muçulmano e o sul, de maioria cristã. É importante saber cinco pontos sobre eles:

1. Os fulani são, em sua maioria, criadores de gado muçulmanos.
Trinta e oito milhões de pessoas pertencem ao grupo fulani. Eles falam uma variedade de idiomas, incluindo hausa, inglês, francês e árabe, e formam o maior grupo nômade do mundo. Na Nigéria, eles rondam em busca de pastoreio para o gado. Embora existam diferentes crenças em toda a sociedade fulani, 99% seguem o islamismo.

2. Eles estão em conflito com os agricultores do Cinturão Médio no Norte da Nigéria.
O Cinturão Médio é uma parte do norte do país dominada pelos muçulmanos. Essa região acolhe uma diversidade de povos e culturas. É um caldeirão de grupos étnico-religiosos que convivem há muito tempo. À medida que os pastores fulani migram cada vez mais para o sul, eles entram em conflito com os produtores de grãos, que são principalmente cristãos.

3. Fatores socioeconômicos e também religiosos levam aos conflitos.
O aumento da desertificação leva os fulani gradualmente para o sul, intensificando a pressão sobre recursos já escassos. Os pastores migram procurando pastagens e água. Além disso, há uma ideologia que coloca os pastores migrantes fulani do norte contra a população cristã indígena da região mais ao sul pois os migrantes estão determinados não apenas em manter suas próprias tradições e cultura, mas também para torná-los dominantes: os campos de batalha são religiosos, políticos, econômicos e sociais. Um líder cristão desabafa: “Os fulani querem destruir o cristianismo, impedir o evangelho e acabar com as fontes de recursos dos cristãos.”

4. Os ataques continuam e são violentos.
O Centro de Estudos Estratégicos da África do Departamento de Defesa dos EUA avaliou que desde 2001, mais de 60 mil pessoas morreram em ataques relacionados aos pastores fulani. Milhares ficaram feridos nos ataques e centenas de mulheres foram sequestradas. Os fulani destruíram inúmeras casas e igrejas e apreenderam grandes extensões de terra e propriedade.

5. Governo do país é criticado por negligência.
Uma organização cristã expressou em março de 2016 a sua indignação pela negligência do governo federal em relação à violência e à destruição causada pelos pastores fulani contra proprietários e agricultores indígenas em todo o país. “Durante anos, os pastores fulani mataram inocentes e não foram punidos. A resposta do governo à ameaça deles até agora é indiferente", declararam. "O governo mostrou um partidarismo absoluto em favor dos fulani, e isso é frustrante para os indígenas e os cristãos da região”, desabafa um líder cristão.

Pedidos de oração

-   Ore por paz e proteção aos cristãos que enfrentam perseguição dos pastores de cabra fulani.

-    Peça a Deus que abra os olhos dos militantes para que vejam a verdade de Deus em Jesus Cristo.

-    Interceda pelos governantes do país, para que lutem por liberdade e paz no país.