Anterior

ANTERIOR

Cristão é condenado à morte por suposta ´blasfêmia´ contra Maomé, no Paquistão

18/09/2017

Universo Cristão

Líder cristão relata experiência difícil no Uzbequistão

Ele conta que foi levado pela polícia secreta; depois disso, sua igreja foi fechada

Fonte: Portas Abertas | 13/07/2017 - 17:00
Líder cristão relata experiência difícil no Uzbequistão

Azamat* é um líder cristão clandestino de 40 anos e que atua no Uzbequistão, 16º país na atual Lista Mundial da Perseguição. Ele se converteu no início dos anos 90, depois de ter sido curado de suas intensas dores de estômago. Desde então, tem sido muito usado por Deus para liderar pequenas igrejas domésticas, além de um ministério infantil, que também existe de forma ilegal, já que a polícia secreta monitora de perto todas as atividades religiosas. Informantes costumam infiltrar-se nas reuniões realizadas pelos cristãos, que são detidos, interrogados e multados.

O líder compartilhou sobre um episódio ocorrido com ele, o qual chamou de “os sete minutos mais longos da minha vida”, quando foi sequestrado por policiais e tratado com extrema violência. Segundo ele, essa experiência nunca chegou aos ouvidos de sua esposa ou de seus filhos. Somente quem sabe são alguns líderes de sua igreja e, agora, colaboradores da Portas Abertas, os quais tornaram esse fato público a todos os que oram pela Igreja Perseguida, embora seu nome tenha sido alterado para sua própria segurança. Azamat disse que foi levado pela polícia secreta e que apanhou duramente dos oficiais por cerca de 7 minutos.

Quando sua igreja foi fechada à força, os fiéis se transferiram para uma “igreja subterrânea” totalmente clandestina. Os trabalhos tiveram continuidade, mas, infelizmente, foram incapazes de alcançar crianças e jovens como faziam antes. Segundo Azamat, seu ministério é vibrante, mas muito arriscado. E mesmo com pouco alcance, ele ainda encoraja as crianças à leitura da Bíblia e as incentiva a relatar as histórias a seus pais. Ao final da conversa, além de pedir de orações, Azamat confessou que, por diversas vezes, pensou em desistir desse trabalho, mas que Deus sempre lhe mostra as pessoas que estão intercedendo, então encontra forças para continuar. “Por favor, além de contar a minha história, agradeça a todos os que oram por mim; essas orações são poderosas”, conclui o líder.

*Nome alterado por motivos de segurança.