Anterior

ANTERIOR

Quarteto Gileade participa de Encontro Nacional de Quartetos Masculinos

25/05/2017

Universo Cristão

Cristãos enfrentam perseguição severa no Uzbequistão

Há cerca de 350 mil cristãos no país sendo monitorados pela polícia secreta em suas atividades

Fonte: Portas Abertas | 15/05/2017 - 17:00
Cristãos enfrentam perseguição severa no Uzbequistão

O país que tem uma das ditaduras mais severas da Ásia Central ocupa o 16º lugar na atual Lista Mundial da Perseguição. O Uzbequistão é um país totalmente hostil aos cristãos. Eles têm suas vidas controladas pelo governo, que encara o cristianismo como um "agente externo que desestabiliza a nação". As atividades religiosas nas igrejas são sempre monitoradas pela polícia secreta e autoridades locais. Quando há reuniões domésticas, os agentes se infiltram com escutas e telefones, além disso, apreendem materiais cristãos, interrogam os fiéis, aplicam multas a eles e até os prendem.

A estimativa atual é que 350 mil cristãos vivam no país. A comunidade estrangeira é muito pequena, constituída por russos, norte-americanos, coreanos e outras nacionalidades. Eles representam menos de 0,01% da população uzbeque. Os cristãos ex-muçulmanos, cerca de 30 mil, sofrem as consequências tanto nas mãos do Estado como de suas famílias, amigos e comunidade. Seguir a Cristo é considerado uma vergonha à honra da família e uma afronta para os vizinhos que, se veem alguém adorando em casa ou se reunindo com outros cristãos, delatam à polícia.

Há alguns meses, duas irmãs cristãs foram ameaçadas pela polícia por atividades religiosas ilegais. "Eles (os vizinhos) nos acusam de traição ao islã e por isso acreditam que toda a doença e pobreza de nossa família provêm disso. Mas não vamos deixar de confiar em Deus. Se não nos deixam pegar água no poço da comunidade, vamos cavar poços próprios e Deus nos ajudará", declarou uma delas, na ocasião. Uma igreja que vive de forma subterrânea foi invadida, no ano passado, por policiais armados e mascarados e os líderes foram presos, pelo crime de "armazenamento e distribuição de literatura proibida e realização de reuniões ilegais".