Anterior

ANTERIOR

Professor é premiado após usar Bíblia para ensinar história a presos

22/09/2017

Universo Cristão

Cristãos têm desafiado a crescente perseguição religiosa na China, diz relatório

Segundo o relatório da ONG `Freedom House´, o Partido Comunista da China tem aumentado a perseguição religiosa no país, mas os cristãos enfrentam perigos para continuar a exercer sua fé

Fonte: Guia-me / com informações do Gospel Herald | 20/04/2017 - 12:00
Cristãos têm desafiado a crescente perseguição religiosa na China, diz relatório

A perseguição contra os cristãos na China "intensificou-se" desde que o presidente Xi Jinping assumiu a liderança do Partido Comunista Chinês em 2012, segundo um relatório.

O relatório, divulgado no mês passado pela organização sem fins lucrativos 'Freedom House', disse que o governo apertou seu controle sobre os grupos religiosos, cujo efeito pode ser sentido no "ambiente legal, social, político e econômico" do país.

Os cristãos não são os únicos que sofrem intensa perseguição por parte do governo na China. Os praticantes do Falun Gong, os budistas tibetanos e os muçulmanos uigures também experimentam níveis "altos" ou "muito altos" de perseguição, segundo o relatório.

Enquanto em alguns lugares do país, os cristãos têm permissão para praticarem sua fé sem medo das autoridades, há lugares onde as restrições religiosas são aplicadas de forma mais rigorosa. O grau de execução varia, dependendo da ameaça percebida pelo governo com relação a um indivíduo cristão ou uma igreja, por exemplo.

Exemplos de perseguição incluem a proibição de celebrações de feriados, o uso violência, torturas e o vandalismo contra templos. Em alguns casos, as autoridades locais prendem cristãos ou fecham ilegalmente templos de igrejas.

Desde 2014, o governo tem usado de uma repressão crescente sobre as igrejas cristãs e muitos foram afetados pela ação de remoção de cruzes e demolição de igrejas no país. O governo também prendeu advogados de direitos humanos que se prontificaram a defender cristãos perseguidos e igrejas que estavam sendo alvo destas ações ilegais.

As autoridades também empregam "formas não-violentas de controle", como limitar o número de novos ministros e ensinar doutrinas religiosas distorcidas nas "igrejas associadas" ao Partido Comunista.

No entanto, os esforços dos governos para aumentar as restrições religiosas até agora não conseguiram conter o crescimento das igrejas cristãs, disse o estudo.

Sarah Cook, analista sênior de pesquisa e autora do relatório, disse que as restrições do Partido Comunista "impossibilitaram" que as igrejas sancionadas pelo governo "atendam à crescente dos cidadãos pelo cristianismo na sociedade chinesa".

Os cristãos da China também estão desafiando cada vez mais essas restrições.

"Os crentes têm respondido com um grau surpreendente de resistência, inclusive em comunidades de fé que geralmente têm relações de cooperação com funcionários do Estado e do partido", diz o relatório.

"Este crescente ciclo de repressão e retrocesso ilustra um fracasso fundamental das políticas religiosas das autoridades chinesas", disse o relatório, acrescentando que o aperto do controle sobre as igrejas resultou em um "enorme número de cristãos clandestinos, forçando muitos crentes a exercerem sua fé fora da lei e olharem para o regime comunista como irracional, injusto ou ilegítimo".

De acordo com Cook, esse padrão poderia eventualmente levar à derrota do Partido Comunista.

"Isso reflete a dificuldade do partido em confrontar os cidadãos que estão dispostos a fazer sacrifícios por princípios superiores", disse ela, de acordo com a VOA News. "Deste ponto de vista, parece que na batalha a longo prazo o Partido comunista perderá finalmente, se não renovar seus conceitos".