Anterior

ANTERIOR

Lei alemã prevê prisão a quem falar mal de muçulmanos

27/06/2017

Universo Cristão

Refúgio cristão na china acolhe mulheres norte-coreanas

Mulheres acolhidas foram vítimas do tráfico humano e levadas à força pela fronteira

Fonte: Portas Abertas | 17/03/2017 - 17:00
Refúgio cristão na china acolhe mulheres norte-coreanas

Hwa-Young* trabalha na China com mulheres que fugiram da Coreia do Norte ou que foram vítimas do tráfico humano e levadas à força pela fronteira. Há cerca de 250 mulheres norte-coreanas que participam de um refúgio cristão que ela lidera. “Lidar com as norte-coreanas é muito difícil, já que elas tiveram que idolatrar a imagem de Kim Jong-un a vida toda. Quando elas começam a acreditar em Deus, existe um conflito em suas almas, pois precisam aprender a substituir o ídolo que ocupou o lugar de Jesus em seus corações”, explica.

A cristã Hwa é uma prova de que servir a Deus é mais uma questão de iniciativa do que de preparo. Ela conta que os dois primeiros anos de seu ministério com as norte-coreanas foram os mais difíceis. “Eu não tinha experiência e a cultura na China é completamente oposta ao que eu estava acostumada a viver em meu país. Eu sempre tive que viver sob pressão, nunca tive segurança alguma e devo ser cautelosa o tempo todo para não correr o risco de ser presa. Além disso, no começo eu me sentia pressionada e com saudade de casa”, compartilha.

Mas depois de superar tudo isso, ela se concentrou no trabalho com as mulheres vindas da Coreia do Norte. Ela as descreve como amedrontadas e inseguras. “Se eu lhes dou algo ou as trato com gestos amáveis, elas acham que, de alguma forma, eu me aproveitarei delas, isso porque foram criadas para conviver com o medo. Por volta dos cinco anos, elas já frequentavam a pré-escola e eram forçadas a assistir às execuções públicas. Muitas vezes, tinham que presenciar amigos ou vizinhos sendo assassinados na frente delas, e isso é muito triste”, conta Hwa.

Embora a China seja um país com muito mais liberdade do que a Coreia do Norte, essas mulheres ainda convivem com sérias dificuldades. “A maioria delas já foi violentada na Coreia do Norte e, ao chegar aqui na China, foram violentadas novamente. Por isso, elas se sentem ‘adormecidas’, ou seja, sequer sentem a dor do abuso e da humilhação. Além disso, conviveram com a extrema pobreza, sempre passaram fome e até tiveram que comer do lixo nas ruas. Elas precisam perdoar as pessoas que causaram tanto mal a elas para que sejam libertadas desse sentimento de angústia, por isso, em nosso grupo, eu as convido a treinar esse perdão”, conclui.

Ore por esse trabalho que é realizado com tanto amor por Hwa-Young e interceda pelas norte-coreanas que estão aprendendo a ter uma nova vida com Cristo.

* Nome alterado por motivos de segurança