Anterior

ANTERIOR

Governo do Brasil se opôs a Israel

04/05/2016

Próximo

PRÓXIMA

Levitas sacrificam após 2 mil anos

15/05/2016

Mensageiro da Paz

Liberto das drogas, ele foi de mendigo a diretor de centro de recuperação

Mensageiro da Paz (Junho/2016)

15/05/2016 - 00:00

Liberto das drogas, ele foi de mendigo a diretor de centro de recuperação esde os 13 anos de idade cativo pela dependência química, Raul Roncada chegou a mendigar, ser morador de rua, sofrer uma overdose e ficar à beira da morte. Para a maioria das pessoas, ele era um caso perdido, mas não para o Deus do impossível, com quem teve um encontro em 1999 e desde então nunca mais foi o mesmo. O cativo se tornou liberto e propagador da liberdade em Cristo. Levando as Boas Novas de salvação, ele ajuda hoje inúmeras pessoas a saírem das drogas. Conheça o testemunho deste servo do Senhor, hoje presbítero da AD em Caxias do Sul (RS), sob a liderança do pastor Daniel Régis Cavalcante. 

Segundo recorda o presbítero, em 1988, com apenas 13 anos de idade, ele começou a frequentar festas de garagens e ouvir rock and roll, se deixando levar pelas letras subversivas e de apologia às drogas. “Nos ambientes das festas, havia uso de drogas e álcool deliberados. De tanto ver as pessoas usarem e querendo me espelhar nos meus ídolos do rock, acabei cedendo. Quis saber o que havia por trás do poder das drogas e nem imaginava o abismo em que estava me jogando”, conta Raul. No início foi cigarro e álcool, e não demorou para que logo viesse a maconha, anfetaminas, chás, barbitúricos, cocaína e até mesmo o crack. Raul foi definhando, tanto em seu corpo quanto em sua mente, no espírito e em todas as áreas de sua vida. Ele conta como um rapaz cheio de talento, perspectivas e boa criação foi parar na sarjeta das ruas da cidade. “No começo, a droga traz uma alegria e paz ilusória, mas a sensação de bem estar e tudo mais logo passam e dão lugar às perdas, aos conflitos internos e ao sofrimento seu e de todos os que te amam e estão ao seu redor. O vício domina você dia e noite. A gente dorme e acorda pensando na droga, sem nenhuma outra expectativa nessa terra. Por isso, você passa a viver só para a droga, larga seus familiares e passa a andar nas ruas com drogados, hippies, andarilhos e até mesmo mendigos. Porque o queimporta é ir onde a droga está. Dormi muitas vezes com frio de 0°C, nas calçadas, mesmo tendo uma casa quentinha me esperando”. Raul conta que sua família adoeceu e foi devastada juntamente com ele ao vê-lo em ruínas e não podendo fazer nada.

Nesses dias de dor, houve um tempo em que a oração de sua mãe era apenas para que ele voltasse vivo para casa, pois cada dia parecia que seria o último de seu filho. Raul andava com calças rasgadas, camisetas com imagens de demônios, largou os estudos, perdeu bons empregos, relacionamentos e até a auto-estima; morou nas ruas e, certa vez, quase morreu de overdose. Mesmo vendo essa total degradação e a sua família desmoronando, ele não tinha forças para reagir. E durante esse processo, ao longo de 10 terríveis anos, foi assistindo amigos morrerem por doenças, overdoses, assassinados, tudo relacionado às drogas. Até que começou a se dar conta de que ele estava sendo arrastado para a morte. “Depois de ter perdido tudo nos 10 anos vivendo no vício, sem esperança, afundado nas drogas, eu encontrei um amigo das ‘antigas’ que era usuário, mas estava diferente, com um brilho no rosto e uma Bíblia na mão. Ele me disse que Jesus havia libertado sua vida de todos os vícios e que agora ele era uma nova criatura em Cristo Jesus. Isso jogou luz e esperança em meu coração”, testemunha o presbítero. 

E neste mesmo dia, esse amigo transformado pelo poder do Espírito Santo orou por ele, que aceitou ir a um centro de recuperação evangélico, chamado “Desafia o Jovem”, na cidade de Três Coroas (RS). “Nos cultos, comecei a entender que Cristo me amava e havia entregado sua vida por mim. Resolvi aceitá-lo como único e suficiente Salvador e Senhor. Foi o dia mais feliz da minha vida! Senti o perdão dos pecados, a paz em meu coração e todo mal saindo da minha vida! Jesus é poder!”, emociona-se. A luta começou com o processo de santificação. Foram 9 meses internado no Centro de Recuperação, reaprendendo a ter horários, trabalho, respeitar regras e principalmente a começar a conhecer o Deus Todo-Poderoso, que lhe guardara todo esse tempo. “Entrar nas drogas é fácil; sair, quase impossível. Só Deus mesmo. Foi difícil, mas cada dia vivendo sem drogas era uma vitória. E a libertação veio à medida que euouvia a Palavra de Deus. Nessequase um ano, eu jejuava, orava, lia a Bíblia e Deus ia me transformando, sepultando o velho homem e fazendo-me uma nova criatura em Cristo Jesus”. 

Raul pediu perdão a toda a sua família e ao acompanharem sua nova vida em Cristo maravilhados, sua mãe e alguns anos depois seu pai também se renderam ao Poderoso Salvador que transformou seu filho de mendigo a um homem de Deus. Assim que recebeu alta, ele se engajou a serviço do Reino e de pacientes do centro de recuperação, tornando-se diretor após anos de serviço integral, ajudando centenas de vidas a serem libertas das drogas, assim como a sua. Hoje, é casado com a irmã Valquíria, palestrante, bacharel em Teologia, atua também em um programa de rádio ligado à Assembleia de Deus, e tudo sempre focado em tirar almas das drogas e inspirar famílias de dependentes químicos a terem fé no Libertador através da sua própria história de triunfo e superação no Senhor.

Mensageiro da Paz - Número 1573- Junho de 2016, CPAD


  Para adquirir ou assinar!

COLUNISTAS