Anterior

ANTERIOR

Anticorpos contra covid-19 duram pelo menos sete meses, mostra estudo

23/10/2020

Giro pelo Mundo

El Salvador: arquivos militares sobre massacre foram destruídos

Dezesseis militares, alguns de alto escalão, foram processados? em 2016, depois que El Salvador revogou a lei de anistia e reabriu o caso

Fonte: R7 / com informações por Reuters / Foto: Reuters/Jose Cabezas/02.06.2019 | 28/09/2020 - 14:15
El Salvador: arquivos militares sobre massacre foram destruídos

Os arquivos militares que forneceriam evidências do massacre de 1.000 camponeses na área de El Mozote durante a guerra civil foram destruídos, disse o presidente de El Salvador. Nayib Bukele prometeu tornar públicos os poucos documentos que sobreviveram para encontrar os responsáveis como uma de suas promessas da campanha eleitoral.

Na tragédia de 1981, uma das piores que opôs guerrilheiros de esquerda contra o exército salvadorenho apoiado pelos EUA, um batalhão executou mil aldeões desarmados no leste do país durante uma operação antiguerrilha, de acordo com uma Comissão da Verdade das Nações Unidas.

“A maior parte dos arquivos, como todos vocês esperam e qualquer salvadorenho imaginará, foram destruídos nesses 40 anos. Quando? Não sabemos, pode ser que tenham sido destruídos imediatamente após o massacre ", disse o presidente em entrevista coletiva na noite de quinta-feira.

Bukele acrescentou que "desclassificou" os poucos arquivos existentes sobre o massacre e que eles seriam entregues a um juiz e à promotoria.

El Mozote: antropólogos escavam covas de pessoas assassinadas pelo exército
Rodrigo Sura/ EFE/ 06.11.2019

Dezesseis militares, alguns de alto escalão, foram processados ??pelo assunto em 2016, depois que El Salvador revogou uma polêmica lei de anistia e permitiu que o caso fosse reaberto.

Durante anos, o governo de El Salvador negou ter perpetrado o massacre de El Mozote. Mas em 2012 o governo do então presidente Mauricio Funes reconheceu o papel do Estado e pediu desculpas aos familiares das vítimas.

El Salvador foi palco de uma guerra interna entre 1980 e 1992 entre o ex-guerrilheiro da Frente Farabundo Martí de Libertação Nacional (FMLN) e o Exército que deixou 75 mil mortos e 8 mil desaparecidos.