Anterior

ANTERIOR

Número de mortes por naufrágio na Tanzânia sobe para 100

21/09/2018

Giro pelo Mundo

Bombardeios do regime sírio contra Guta Oriental mataram mais de 900 civis

Na quarta, forças do governo realizaram intensos ataques aéreos na região na tentativa de dividir o enclave rebelde nos arredores de Damasco

Fonte: G1 | 08/03/2018 - 16:35
Bombardeios do regime sírio contra Guta Oriental mataram mais de 900 civis

Mais de 900 civis morreram em Guta Oriental em 18 dias, desde o início de uma violenta ofensiva do governo sírio contra o reduto rebelde, que fica nas proximidades de Damasco. O novo balanço foi divulgado nesta quinta-feira (8) pela ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), que suspeita de um ataque químico na região, segundo a France Presse.

Desde 18 de fevereiro, o balanço de mortos chegou a 905 depois que os mais recentes bombardeios aéreos contra a cidade de Zamalka provocaram as mortes de sete civis, indicou o OSDH, organização com sede no Reino Unido e que dispõe de uma ampla rede de fontes no país.

O ataque governamental na área densamente povoada já é considerado um dos mais agressivos da guerra.

Suspeita de ataque químico

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos afirmou ainda nesta quinta que foram registrados dezenas de casos de asfixia após os bombardeios aéreos do regime sírio e de sua aliada Rússia em Guta Oriental, o que levanta a suspeita de um ataque químico na região.

Na quarta-feira, os ataques aéreos na região, que são uma tentativa de dividir o enclave rebelde, marcam uma intensificação de uma campanha para impor a maior derrota desde 2016 aos combatentes de oposição ao presidente sírio, Bashar al-Assad.

Na noite após o ataque, pelo menos 60 pessoas sofreram dificuldades respiratórias nas localidades de Saqba e Hamouria, após os bombardeios, de acordo com a France Presse.

Funcionários de um hospital da região afirmaram que trataram pelo menos 29 pacientes que apresentavam sintomas de exposição a gás de cloro, informou a Sociedade Médica Sírio-Americana (SAMS), uma ONG que apoia os centros médicos da Síria.

Nesta quinta, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha afirmou que o comboio humanitário que ia para Guta Oriental foi adiado. O exército russo afirmou que ataques rebeldes motivaram a decisão, de acordo com a agência Efe.

Forças Pró-Turquia

Forças turcas e rebeldes sírias aliadas retomaram nesta quinta-feira o controle total de Jandairis, uma localidade do reduto de Afrin, noroeste da Síria. Ancara lançou uma ofensiva contra uma milícia curda que atua na região, de acordo com a France Presse.

"Com este avanço, as forças turcas retomaram o controle das cinco principais localidades do encrave", segundo o OSDH.

A ONG informou ainda que os rebeldes aliados de Ancara se encontra a poucos quilômetros da principal cidade da região, Afrin.