Anterior

ANTERIOR

Bombardeios na Síria deixam pelo menos 30 civis mortos

06/02/2018

Próximo

PRÓXIMA

Hotel desaba após terremoto de magnitude 6.4 atingir Taiwan

06/02/2018

Giro pelo Mundo

Senado canadense aprova retirada de gênero do hino nacional

Mudança se dá a fim de que letra da canção não tenha marcação de gênero

Fonte: Gazeta do Povo | 06/02/2018 - 15:55
Senado canadense aprova retirada de gênero do hino nacional

O Senado canadense aprovou um projeto de lei que muda a letra do hino nacional do país para que ele não tenha marcação de gênero.

A mudança proposta é que a frase “in all thy sons command” (em vossos filhos comanda) seja mudada para “in all of us command” (em todos nós comanda). Isso porque, em inglês, o termo "sons" se refere apenas a filhos do sexo masculino, de acordo com a CBC News. A proposta foi introduzida pelo ex-membro da Casa, Mauril Bélanger, em 2016.

Foram apresentadas doze mudanças para mudar a letra do hino que, para muitos, é discriminatório. Nenhuma das ideias para retirar “filhos” da letra tinha sido aprovada até então. A música, conhecida como “O Canada”, se tornou o hino do país em 1980.

O primeiro ministro, Justin Trudeau, afirmou apoiar a mudança proposta. “A proposta de Mauril de deixar o hino sem marcação de gênero passou no Senado – mais um passo importante no caminho da igualdade de gênero”, postou Trudeau em seu Twitter.

“Eu estou muito, muito feliz. Há mais de 30 anos existem tentativas de mudar nosso hino nacional, algo que é tão importante para uma nação e deve incluir todos as pessoas”, falou o Senador Frances Lankin para a CBC News. “Estou orgulhoso de fazer parte do grupo que permitiu essa mudança”.

Alguns senadores e legisladores conservadores, porém, não acham que a decisão foi certa, já que a letra da música foi escrita há muitos anos e seu autor não pode opinar quanto à mudança. Legisladores reclamaram também que o Senador Don Plett, crítico de longa data da medida, não teve chance para se posicionar de forma contrária durante a seção.

A proposta agora deve ser assinada pela governadora geral do Canadá, Julie Payette, para se tornar lei.