Anterior

ANTERIOR

Ex-chanceler alemão Helmut Kohl morre aos 87 anos

16/06/2017

Próximo

PRÓXIMA

Colômbia destrói `megalaboratório´ de cocaína na fronteira com Equador

16/06/2017

Giro pelo Mundo

Trump anuncia nesta sexta novas restrições entre EUA e Cuba

Presidente deve vetar viagens para o país com a intenção de evitar fluxo financeiro para o exército cubano

Fonte: O Dia | 16/06/2017 - 16:20
Trump anuncia nesta sexta novas restrições entre EUA e Cuba

O presidente americano, Donald Trump, anunciará nesta sexta-feira, 16, mudanças na política de reaproximação com Cuba adotada por seu antecessor, Barack Obama. As alterações devem ser pontuais, mas o republicano deve utilizar uma retórica agressiva em relação ao governo de Raúl Castro, com exigência de eleições livres e libertação de presos políticos para que haja avanços na agenda bilateral.

As principais alterações serão a proibição de viagens individuais à ilha e o veto de gastos em hotéis, restaurantes, bares e outros estabelecimentos controlados pelos militares ou pelo serviço de inteligência do país - o Exército é dono de grande parte da infraestrutura de turismo de Cuba.

O objetivo é estimular os americanos a se hospedar nas "casas particulares" e a comerem nos "paladares" - restaurantes de propriedade dos pequenos empresários da ilha. Como ocorreu durante o governo Obama, as viagens a turismo continuam proibidas. A diferença é que não será mais possível ir à ilha de maneira individual dentro da categoria de "intercâmbio pessoal", uma das 12 existentes. As visitas terão de ser feitas em grupo, mas não precisarão da autorização prévia que era exigida antes das alterações anunciadas por Obama e Raúl Castro em dezembro de 2014.

Os voos diários entre os EUA e Cuba e as linhas de cruzeiros lançados no ano passado continuarão em operação. Não haverá mudanças na permissão de viagens de cubano-americanos, nem na possibilidade de remessas de dinheiro a seus parentes em Cuba. O restabelecimento de relações diplomáticas e o funcionamento de embaixadas ficarão intocados.

Endurecimento

Segundo assessores da Casa Branca, o objetivo das mudanças é evitar o fluxo de dinheiro para o Exército e os setores de inteligência e segurança cubanos. "A política de Obama enriqueceu o regime e aumentou a repressão na ilha", disse um dos integrantes do governo que participou de teleconferência ontem sobre as mudanças - é praxe que eles não se identifiquem.

"Trump vai jogar alguma carne vermelha para os cubano-americanos de linha dura, mas a política na prática vai mudar só de maneira marginal", avaliou Richard Feinberg, especialista em Cuba e professor de Política Econômica Internacional da Universidade da Califórnia em San Diego. Segundo ele, a proibição de fazer negócios com o Exército não terá impacto sobre empresas americanas, que não têm investimentos em setores controlados pelos militares. A única exceção é a rede Marriott, que administra dois hotéis na ilha. "Claro que os hotéis americanos gostariam de entrar em Cuba, mas isso não aconteceu com Obama."

A mudança mais evidente será a retórica. A cordialidade demonstrada por Obama em seus encontros com Raúl Castro será substituída pelo discurso agressivo de exigência de respeito aos direitos humanos e a regras democráticas, totalmente ausente da agenda de Trump em outros países.

"O presidente deixou claro que vai olhar para regimes repressivos nesse hemisfério", justificou um dos assessores da Casa Branca durante a teleconferência sobre as medidas.

Trump fará o anúncio em Little Havana, em Miami, coração da comunidade de cubanos que fugiram da ilha para os EUA depois da Revolução de 1959. O local escolhido foi o Teatro Manuel Artime, batizado em homenagem a um dos veteranos da invasão da Baía dos Porcos, uma operação fracassada patrocinada pela CIA em 1961 com o objetivo de derrubar o governo de Fidel Castro.