Anterior

ANTERIOR

Conselheiros levam Base Nacional Curricular a sessão deliberativa nesta quinta; veja como será a reunião

07/12/2017

Próximo

PRÓXIMA

Cabral pede para desmarcar audiência para fazer Enem

08/12/2017

Giro pelo Brasil

MPF denuncia Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi

Parlamentares estão presos preventivamente desde o mês passado. Outras 16 pessoas foram denunciadas na mesma ação desta quinta-feira

Fonte: O Dia | 07/12/2017 - 16:00
MPF denuncia Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou, na manhã desta quinta-feira, os deputados do PMDB, Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A denúncia afirma que há uma poderosa organização criminosa no PMDB fluminense ligada aos deputados, presos desde novembro preventivamente. Os promotores apontam dois esquemas criminosos: um envolvendo empreiteiras, como a Odebrecht, e outro com a Fetranspor. Outras 16 pessoas, a maioria empresários de ônibus e ex-dirigentes da Fetranspor, foram denunciadas na mesma ação.

O colegiado do Tribunal Regional Federal da 2ª Região decidirá se acolhe a denúncia.

O deputado Jorge Piccini, de acordo com a denúncia, teria recebido da Fetranspor R$ 49 milhões em cinco anos.

A ação contra os deputados é a primeira da Operação Lava Jato no Tribunal Regional Federal (TRF2). No dia 29 de novembro, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Felix Fischer, negou a liberdade dos deputados. Anteriormente, a Alerj havia libertado os parlamentares.

Para o ministro Felix Fischer, relator nos dois casos, não há flagrante ilegalidade para justificar a concessão de liminares para revogar as prisões. No caso do presidente da Alerj, Jorge Picciani, o ministro destacou que, ao contrário do que alegou a defesa, a decisão do TRF2 que permitiu a nova prisão está devidamente fundamentada.