Anterior

ANTERIOR

Comissão da Câmara adia para 2018 votação que pode vetar aborto mesmo nos casos em que é atualmente permitido

14/12/2017

Giro pelo Brasil

Grupo bloqueia rua com fogo em protesto contra corte na gratuidade da segunda passagem em Porto Alegre

Trânsito ficou interrompido na Rua Sarmento Leite por pouco mais de 1h30. Brigada Militar interveio e utilizou bombas de gás para dispersar os manifestantes.Protestos seguiram pela manhã

Fonte: G1 | 11/08/2017 - 10:15
Grupo bloqueia rua com fogo em protesto contra corte na gratuidade da segunda passagem em Porto Alegre

Manifestantes protestam na manhã desta sexta-feira (11) contra mudanças na gratuidade na segunda passagem nos ônibus de Porto Alegre. Um grupo, formado em sua maioria por estudantes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), bloqueou o trânsito na Rua Sarmento Leite, no Centro da cidade, e colocou fogo em objetos na pista.

Conforme a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), cerca de 20 pessoas participaram do protesto. Por volta das 7h25, a Brigada Militar interveio com bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes.

Logo após da ação policial, bombeiros fizeram a lavagem da pista e o trânsito foi liberado no local por volta das 7h45.

No decorrer da manhã, outros protestos foram registrados, com caminhadas de estudantes por ruas e avenidas de regiões centrais da cidade. Uma das manifestações ocorreu em frente ao Colégio Parobé, com duas faixas da Avenida Loureiro da Silva bloqueadas, conforme a EPTC.

Também foi registrada uma caminhada pela Avenida Venâncio Aires, de um grupo que se juntou aos manifestantes que já estavam no colégio. Depois, os estudantes iniciaram uma caminhada. No trajeto, em direção ao Centro, ruas são bloqueadas.

Mudanças propostas

A gratuidade ocorre quando o passageiro toma o segundo ônibus em um intervalo de 30 minutos, e é necessário que as linhas sejam diferentes. Com o projeto, o benefício só vale para estudantes. Já os outros usuários pagam 50% da passagem na segunda viagem. A mudança foi determinada em um decreto da prefeitura.

De acordo com a prefeitura, a medida tem como objetivo reduzir o impacto do benefício em futuros reajustes da tarifa. Atualmente, diz o município, a isenção que mais pesa no cálculo do aumento é a segunda passagem gratuita, que representa R$ 0,51 na tarifa, ou seja, 13%.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) estima que o decreto vai atingir 51 mil passageiros por dia, o que equivale a 11% dos usuários do transporte coletivo. "Ao mesmo tempo em que estamos promovendo medidas para não ter um reajuste significativo na passagem, buscamos ações de qualificação para os ônibus”, declara o diretor-presidente da EPTC, Marcelo Soletti.

Pacote enviado para a Câmara é suspenso

O pacote enviado pelo prefeito Marchezan à Câmara de Vereadores com propostas de mudanças no transporte público teve a tramitação suspensa na segunda-feira (7).

Durante sessão ordinária, o líder do governo na Casa, vereador Cláudio Janta (SD), entregou ao presidente Cassio Trogildo (PTB) um documento solicitando oficialmente a suspensão por 120 dias. Com isso, os projetos só devem ser votados em 2018. Veja aqui a lista dos projetos.

Cobranças de promessa

Durante a campanha para a prefeitura, no ano passado, Marchezan havia prometido, em uma postagem no Facebook, que manteria a isenção da segunda passagem. Após o decreto, internautas compartilharam a antiga postagem ironizando e criticando a medida.