Anterior

ANTERIOR

A vida devocional do professor

02/08/2019

Ensinador Cristão

Cristãos têm culto interrompido e lutam pelo direito de se reunir novamente, na Indonésia

Grupo estava se reunindo do lado de fora da igreja, porque o templo já havia sido interditado antes, mas mesmo assim, a polícia proibiu o culto

Fonte: Guia-me / com informações Portas Abertas / Foto: Adek Berry | 13/09/2019 - 14:20
Cristãos têm culto interrompido e lutam pelo direito de se reunir novamente, na Indonésia

Em um domingo, durante um dos cultos regulares da igreja de uma igreja na Indonésia, os membros da congregação na cidade de Riau assistiram, confusos, enquanto a polícia interrompia o culto.

"Por favor, aguardem até que o culto seja concluído, para que possamos discutir", disse o pastor Ganda Damianus Sinaga aos oficiais.

Sem prestar atenção no apelo do pastor, os policiais interromperam o culto e mandaram embora os membros da igreja, dizendo que a congregação não possuía uma licença de construção.

"É nosso direito realizar o culto de domingo, por que vocês não podem nos deixar?", exclamou a esposa do pastor Sinaga.

Quando os oficiais chegaram, a congregação estava adorando em uma tenda improvisada no pátio da igreja; o prédio da igreja já havia sido interditado anteriormente. O pastor Sinaga diz que solicitou uma permissão oficial, mas, como muitas outras igrejas na Indonésia, a igreja sabe que é difícil obter uma permissão de construção de igreja.

Um padrão de perseguição

À medida que as violações contra as liberdades religiosas aumentam na Indonésia (nº 30 da Lista Mundial de Observação de 2019), somente em julho, três igrejas no país de maioria muçulmana foram forçadas a fechar, incluindo a do pastor Sinaga.

A primeira foi uma igreja em Yogyakarta, na Indonésia. A licença de construção foi revogada pelo governo local por não atender ao requisito de uso frequente do edifício. O pastor, Tigor Yunus Sitorus, solicitou a permissão de construção da igreja em 2017, que foi aprovada em janeiro de 2019.

Mas durante esse tempo, a igreja foi demolida. E semanas antes da revogação da permissão, os moradores locais intimidaram a igreja colocando cartazes com ofensas e ameaças em toda a área.

A segunda era uma igreja batista em Semarang. Os moradores locais pararam a construção do prédio da igreja algumas semanas atrás, porque a data da licença de construção de 1998 havia expirado. Devido a questões financeiras, sua construção foi intermitente. O prefeito da cidade de Semarang liderou uma reunião onde foi decidido que a igreja deveria renovar a licença de construção. Só então eles receberiam a igreja.

"Justificativas"

Para justificar o fechamento de igrejas, as autoridades religiosas islâmicas usaram amplamente o fracasso na obtenção de uma licença de construção como uma desculpa na Indonésia, bem como em outros países do mundo onde os cristãos não podem adorar livremente.

De acordo com o Decreto Conjunto dos Ministros da Indonésia sobre Permissões para Construção Religiosa, estabelecido em 2006, todo grupo religioso deve buscar a aprovação da comunidade local por meio de assinaturas para construir uma "casa de adoração".

Mas para as minorias, como os cristãos, é difícil reunir um número suficiente de assinaturas da maioria muçulmana (os cristãos na Indonésia representam apenas 32 milhões de uma população total de 226 milhões). Mesmo que consigam obter assinaturas suficientes, a aprovação do governo pode levar anos, até décadas. Na Indonésia, partidos políticos muçulmanos conservadores e grupos islâmicos radicais exercem influência significativa, resultando em políticas inspiradas na Sharia e na opinião pública que se opõe ao cristianismo.

Uma vez que uma igreja é vista como proselitista, como muitas igrejas evangélicas, tradicionais ou pentecostais, elas logo encontram problemas com grupos islâmicos radicais. Mesmo que consigam cumprir todos os requisitos legais - incluindo processos judiciais vencedores - as autoridades locais ainda os ignoram. Hoje, muitas igrejas ainda aguardam aprovação para se reunir e adorar.