Colunistas

William Douglas

William Douglas

Casos de sucessos (e fracassos) na Bíblia - 5ª Parte

Qua, 09/11/2011 por William Douglas

As premiações que o tempo traz para um bom empregador, chefe ou gerente são muito maiores do que se pode calcular. É a aplicação da lei do retorno, ou semeadura, ou da causa e efeito. E os efeitos e frutos de ser bom são impossíveis de se calcular antecipadamente.

Na parábola do filho pródigo (ou melhor, dos dois filhos perdidos), vemos que o que aquele pai mais desejava era o retorno do filho que partiu, tanto que ficava na varanda, mirando a estrada por onde ele se foi, sempre na expectativa de seu retorno.

E por que razão ele pensava nisso?

Porque ele deixou nas memórias do filho, bem registrado, que era um bom empregador! Seu filho cresceu vendo o pai ser bom para com as pessoas e seus empregados, viu como ele os tratava bem, como era justo e responsável por eles. Em momento algum aquele pai poderia imaginar que, ao agir de forma correta e boa para com seus funcionários, estaria semeando o retorno de seu filho, e, mesmo assim, seguia com a boa atuação.

Veja o que o filho arrazoou consigo mesmo no lugar distante onde estava passando fome e sendo maltratado:
 

"Caindo, porém, em si, disse: Quantos empregados de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e dir-lhe-ei: “Pai, pequei contra o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados.” 1


Assim, enquanto o dono dos porcos perdia um de seus bons empregados porque não se preocupava com ele, nem o tratava com respeito, aquele pai, honesto e correto, conseguiu seu filho de volta justamente por ser o oposto, ou seja, tratava bem as pessoas e seus empregados.

Isso se aplica a todos os donos de empresas, gerentes, chefes, supervisores, enfim, líderes: a imagem que você deixa, sobre você, nas pessoas, ao longo da vida, passa a ser, cada dia mais, seu maior patrimônio ou seu maior problema. Seu nome, sua imagem, seu legado são seus bens mais preciosos, portanto, cuide bem deles. Seja um bom patrão, justo com seus seguidores, um companheiro de trabalho com o qual as pessoas sempre possam contar e marque aqueles que o rodeiam com as boas ideias que o colocaram naquela posição (de gerência, de liderança, de referência) para que eles possam, também, difundir esses bons ideais e promover a transformação social.
 


NOTA: 
Lucas 15, a partir do verso 11, mas o texto integral da parábola está transcrito três capítulos atrás.

0 comentários

Nenhum comentário para esse post.

Deixe seu comentário







Perfil

William Douglas é juiz federal titular da 4ª Vara Federal de Niterói (RJ), professor universitário, mestre em Direito, pós-graduado em Políticas Públicas e Governo; conferencista secular e evangélico, e colunista da revista “GeraçãoJC” (CPAD), assinando a coluna “Mercado de Trabalho”; autor do best-seller “Como passar em provas e concursos”, com mais de 175 mil exemplares vendidos, e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Foi um dos preletores do Encontro GeraçãoJC, ministrando sobre o tema “Sucesso Pessoal e Profissional através da Bíblia” (em DVD, pela CPAD).

COLUNISTAS

ARQUIVO