Colunistas

William Douglas

William Douglas

Lei do Retorno - O efeito bumerangue

Sex, 18/05/2012 por William Douglas

Uma lei universal afirma que tudo o que você faz volta para você. Todas as religiões dizem isso, a física tradicional diz isso (lei de Newton) e até a física quântica também diz isso. Não é possível que todos estejam errados! Enfim, o que você faz volta para você, como se fosse um bumerangue.

Jesus disse que tudo o que o homem semear isso também colherá (Gl 6.7). Esta é uma regra universalmente conhecida e respeitada: aquilo que você semeia, você colhe. Você é livre para semear ou não, e para escolher o que semeará, mas é escravo de suas escolhas. Ao menos, até o dia em que resolve mudar de sementes.

A mesma lei espiritual ou física (quer você se baseie no conhecimento religioso ou científico) diz que aquilo que você foca, aquilo a que você dá atenção, se expande.

Tudo o que fizer vai voltar multiplicado para você. O bumerangue, nesse caso, sempre voltará bem maior do que você o enviou. Se você fizer coisas boas, virão mais coisas boas, e se fizer coisas ruins, elas também voltarão multiplicadas. Isso está em outros livros religiosos, comentado por gente sábia; e, como também está na Bíblia, é porque é uma lei inexorável. Se você é uma pessoa boa, correta e que ajuda os outros, isso vai voltar para você. Nem é preciso ser religioso para saber ou afirmar isso. Um budista sabe, um muçulmano sabe, um hindu sabe e um ateu sabe. O fato é que a Bíblia traz a verdade e essa verdade pode estar mencionada em outros lugares, livros e grupos de pessoas.

Muitas religiões colocam isso como um princípio negativo: “Não faça aos outros o que não gostariam que fizessem a você”. Já é uma grande coisa, pois o que você faz ao outro, vai voltar para você um dia.

A Bíblia vai mais além. Afirma que você deve fazer com os outros aquilo que quer que façam com você. O princípio se torna ativo, proativo, gerador de mudança.

Ame o próximo (aquele que está ao seu lado, por perto, junto de você, em sua vida) como a si mesmo, por exemplo (Mc 12.31). Se você amar o próximo como se estivesse amando a si mesmo, certamente não furtará do próximo, não o explorará. Pois quem explora seu próximo, recebe o resultado espiritual daquilo que fez. Quem, pelo contrário, não defrauda o próximo, seja por qual orientação for, evitará um grande prejuízo para si mesmo.

Mas a Bíblia fala a mesma coisa: não defraude seu próximo, não abuse do seu irmão, não tenha lucro excessivo. Quem ganha demais, o faz para sua própria perda. Isto é dito por grandes financistas, por grandes estudiosos, por grandes filósofos. E também está na Bíblia: “Ao que distribui mais se lhe acrescenta, e ao que retém mais do que é justo, é para a sua perda” (Provérbios 11.24).

O que muitos estudiosos, filósofos e financistas podem não saber é sobre a vida eterna em Jesus, mas dos resultados das ações, objetos de análise das ciências sociais, como a sociologia, filosofia, direito, economia etc. Isso, sabem por conta dos resultados objetivos das pesquisas científicas.

Na economia existe um gráfico conhecido como curva de Laffer, que mostra que a receita tributária só é progressiva até um determinado nível. Quando a tributação torna-se excessiva, a receita pública advinda da tributação começa a ser regressiva, seja por sonegação, seja por redução das atividades econômicas que compõem a base de arrecadação.

Afirmamos que em todos os negócios a curva de Laffer tem alguma aplicação: quando alguém começa a abusar dos sócios, parceiros, clientes, fornecedores, patrões ou empregados, o “ganho” obtido subirá até determinado ponto e depois começará a decair. E decairá para níveis inferiores aos que ocorreriam se esse alguém agisse de modo correto e leal. A forma da perda pode ser a ruptura dos negócios, a diminuição das encomendas, a falta de companheirismo e/ou motivação.

Costumo dizer que, quando o negócio é “muito bom” para um lado e não é pelo menos “bom” para o outro, não será um negócio duradouro. Sempre que alguém está se dando “bem demais” – em geral, isso ocorre à custa de alguém estar tendo perdas –, este alguém ficará ressentido e, de alguma forma, partirá para outra relação que não seja espoliativa, opressiva ou desigual.

Não estamos falando para você ser “bonzinho”, mas bom; não para ser fraco, mas íntegro. E não estamos nos baseando na religião, mas em uma verdade reconhecida por todos e, mesmo assim, pouco aplicada: tudo o que você fizer vai voltar para você.

Hoje, tenho a oportunidade de colher muitas coisas boas porque tenho plantado isso há 20, 30 anos. Quanto mais cedo você plantar, e quanto mais plantar, mais colherá.

[...] tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” Gálatas 6.7

O que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância também ceifará.” 2 Coríntios 9.6

E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, [...]  sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança; [...] quem fizer agravo receberá o agravo que fizer;pois não há acepção de pessoas.” Colossenses 3.23-25

 

18 comentários

Kleber Soares

Professor, depois de muito tempo de estudos na Rede LFG o encontrei na CPAD. Muito bom. Já o acompanhava no curso com palestras motivacionais e agora vou passar a acompanha-lo aqui como seus artigos inspiradores. Obrigado.

ITAMAR MACIEL

PARABENS ARTIGO INSPIRADOR!! MARAVILHA .

Iandra Nunes

Muito bom. É isso mesmo a vida, por isso devemos sempre tentar fazer o melhor.. Nem sempre dá, mas temos que tentar ao menos...

Iandra Nunes

Muito bom. É isso mesmo a vida, por isso devemos sempre tentar fazer o melhor.. Nem sempre dá, mas temos que tentar ao menos...

Joseane Santos

é bem isso, as vezes adoeçemos, ou passamos por dificuldades financeiras ou na vida sentimental, pedimos auxílo a Deus e quando o retorno não vem rápido duvidamos da bondade dele, mais esquecemos daquele "não" lá atras, daquela trapassa e não lembramos que o sofrimento foi nossa escolha.

Heloisa Santos

MARAVILHA ! Nem sempre encontramos explicacoes tao claras e vistas de varios angulos como esta. Parabens Sr. William. Helo.

Munique

Parabéns pelo artigo.Estou passando por uma fase muito difícil em minha vida onde várias pessoas me fizeram muito mal, principalmente o pai do meu filho e foi muito importante pra mim saber que realmente existe a lei do retorno pois não vou mentir que anseio por justiça! Um forte abraço, Munique.

MARIANA

PARABENS OTIMO ARTIGO.

Scarlet

Oi, sr. William Douglas . Boa noite! Gostaria de dizer que li seu texto"a Lei do Retorno - O efeito bumerangue" a forma como explicou e realmente bem fácil de entender ,é verdade a lei universal e a lei da física, elas explicam mais cada uma de sua forma, tudo o que vai volta , que nem um bumerangue.Achei muito interessante também que citou o gráfico a curva de Laffer, que usam a metáfora da galinha dos ovos de ouro pra entendermos de uma forma breve!!!

Scarlet

Oi, sr. William Douglas . Boa noite! Gostaria de dizer que li seu texto"a Lei do Retorno - O efeito bumerangue" a forma como explicou e realmente bem fácil de entender ,é verdade a lei universal e a lei da física, elas explicam mais cada uma de sua forma, tudo o que vai volta , que nem um bumerangue.Achei muito interessante também que citou o gráfico a curva de Laffer, que usam a metáfora da galinha dos ovos de ouro pra entendermos de uma forma breve!!!

nilmara

Textos maravilhosos de Willian Douglas!Jesus o abençoe!

REGIANE

FATO

Alberto

"Se você é uma pessoa boa, correta e que ajuda os outros, isso vai voltar para você. Nem é preciso ser religioso para saber ou afirmar isso". Parabéns pelas considerações deste artigo William. Em um país como o nosso, rodeado de manchetes "políticas" questionáveis, essas recomendações precisam ser mesmo sempre lembradas.

Sérgio Silva

A paz do Senhor! Quero parabenizá-lo pelo post. Sou leitor de seus artigos e trabalho como jornalista redator no site Concursos no Brasil que possui inclusive uma coluna do irmão! Se possível visite o meu site www.pregadorsergiosilva.com.br

Edinaldo Domingos

Maravilhoso!

Gutemberg Santos

Parabéns, pelo texto!

Ewerton

Acredito na Lei do retorno - ou para alguns Lei da semeadura - afirmando que tudo que nós platarmos isso ceifaremos.Ratificando que plantar é opcional e colher é obrigatório.Admiro esse seu trabalho de colunista; e que Deus te abençõe mais e mais.Abraços e espero ler mais colunas como esta. Ewerton Pereira

alex cruz

muito bom artigo

Deixe seu comentário







Perfil

William Douglas é juiz federal titular da 4ª Vara Federal de Niterói (RJ), professor universitário, mestre em Direito, pós-graduado em Políticas Públicas e Governo; conferencista secular e evangélico, e colunista da revista “GeraçãoJC” (CPAD), assinando a coluna “Mercado de Trabalho”; autor do best-seller “Como passar em provas e concursos”, com mais de 175 mil exemplares vendidos, e membro da Academia Evangélica de Letras do Brasil. Foi um dos preletores do Encontro GeraçãoJC, ministrando sobre o tema “Sucesso Pessoal e Profissional através da Bíblia” (em DVD, pela CPAD).

COLUNISTAS

ARQUIVO